Inspiração

COMO CRIAR UM GUARDA-ROUPA MINIMALISTA

6 de julho de 2015

Depois de chegar a conclusão de que nada do que eu fui me veste hoje em dia, e de que eu não quero mais ter um monte de roupas sem utilidade, chegou a hora de colocar a mão na massa e construir esse tal guarda-roupa minimalista!

Como eu sou nerd e adoro uma pesquisa, fui dar uma olhada em livros e referências que vão além do Pinterest que é a minha maior fonte de inspiração.

Fiz exercícios de autoconhecimento fashion, li sobre conceitos de uniforme e guarda-roupa em cápsula com trinta e poucas peças, e acabei escolhendo uma referência que melhor se adequa ao meu estilo de vida nesse momento: o 5 piece French wardrobe, ou guarda-roupa francês de 5 peças.

Essa ideia vem da filosofia francesa de priorizar qualidade a quantidade, ser fiel ao estilo pessoal e resistir aos modismos passageiros de cada estação. O resultado disso é um guarda-roupa mais funcional, menos dinheiro gasto com peças as quais vamos enjoar rapidamente (tchau fast fashion) e mais satisfação com o que vestimos todos os dias.

Para começar, segui os seguintes passos:

LIMPEZA GERAL

Tirei da frente tudo o que eu tenho hoje em dia e não uso com frequência, que eu não amo ou não me sinto bem usando. Quando você faz isso percebe que sobram pouquíssimas coisas e é meio assustador. Parece mentira, mas mesmo tendo pouca roupa eu ainda carrego coisas que não uso muito. 

Uma coisa muito importante nesse processo é não ter dó de desapegar. Eu tenho coisas que eu amo, tenho apego, mas NUNCA uso. De que adianta ficar guardando essas coisas? N0 meu caso, elas pesam na mala e ainda me impedem de ter coisas que eu realmente uso.

BACK TO THE BASICS

Separei as minhas peças neutras, mais básicas e de boa qualidade, que duram várias estações e podem ser incrementadas com peças mais elaboradas. Depois, fiz uma lista do que eu considero básico para ver se estava faltando alguma coisa.

Existem mil listas de “básicos” na internet com tudo o que você PRECISA TER. Mas isso é justamente o que eu não quero: ficar presa a nenhum modelo. Parei para pensar no que é básico para mim e cheguei no seguinte:

  1. Peças que eu posso usar quase todos os dias sem enjoar.
  2. Combinam com tudo o que eu tenho.
  3. Eu não posso viver sem, independentemente de onde eu esteja.
  4. São os elementos de ligação entre todas as outras peças do meu guarda-roupa.
  5. São feitas de materiais que vão durar muito tempo e continuam bacanas mesmo quando estão mais velhinhas.

Com tudo isso em mente, esta foi a lista com os meus básicos:

lista-de-basicos

O que não está marcado é o que preciso comprar: uma camisa branca, um shorts jeans, um casaco de inverno, uma malha de cashmere, um tênis e uma clutch. Como não vou ter de enfrentar o inverno tão cedo, vou focar apenas nas peças de verão.

WISH LIST

Para não perder o foco e querer comprar tudo, usei a regrinha das 5 peças novas a cada estação proposta por esse conceito de guarda-roupa francês para limitar a quantidade de peças que devo comprar em cada época do ano. Também dividi as estações entre primavera/verão e outono/inverno. Essas são as peças que vão adicionar personalidade e uma cara nova aos básicos durante o ano.

Meus 5 itens para a próxima estação são:

  • Colete militar: vi muita gente usando peças no estilo militar aqui em NY. Além de amar coletes eu acho que é uma peça bem versátil que funciona em todas as estações do ano.
  • Camiseta divertida: eu amo camisetas, principalmente se elas tiverem alguma gracinha a mais. Também são ótimas opções tanto para ficar em casa, quanto para compor um look mais arrumadinho.
  • Blusa com uma cor forte: quero tentar incluir algumas peças coloridas já que eu sou tão neutra, vamos ver se eu consigo.
  • Uma parte de baixo branca: pensei em uma calça skinny ou shortinho, mas acho que um shorts vai acabar sendo mais útil já que eu sempre escolho estar onde é verão!
  • Blusa estampada ou de renda: ambas funcionam bem na cidade e também na praia.

IMPORTANTE: os itens básicos, roupa íntima, de academia e acessórios não entram nessa lista.

Agora, vou me divertir fazendo compras nos próximos dias, coisa que nem lembro mais como é!

banner_enjoei

Imagem: Pinterest.

You Might Also Like

30 Comments

  • Reply Bruna 6 de julho de 2015 at 14:48

    Bacana, Fê! Acho legal cada um adaptar a sua necessidade. Tem gente que precisa de mais roupas de trabalho, outros que trabalham em ambiente informal… O legal é captar a essência minimalista e aplica-la em cada realidade individual!

  • Reply Juliana 6 de julho de 2015 at 21:17

    Que lista bacana, Fê! Espero que faça ótimas compras! Depois mostra tudo p gente! 🙂 beijos

  • Reply renata 6 de julho de 2015 at 22:44

    AMEI! Tudo a ver com meu estilo (mãe moderna, minimalista, prática, básica, que se locomove à pé ou de bicicleta e não quer se identificada nem como mãe nem como ciclista!)
    E vou fazer a limpa no meu armário, que apesar de enxuto também tem um monte de peças apego nunca mais usadas…afff)
    Vou te acompanhando aqui e pelo snap pra ver os achados!

    bj e sucesso

  • Reply José 8 de julho de 2015 at 08:15

    Este post e o anterior são simplesmente péssimos (Fúteis) quando comparados com outros que você já fez.

    • Reply Fe Neute 8 de julho de 2015 at 15:18

      Oi José, por que fúteis? Só porque eu estou falando de roupas? Não tenho problema nenhum em receber críticas, mas gostaria que elas fossem construtivas e não simplesmente uma crítica agressiva e sem nenhum propósito. Se eu já escrevi posts os quais você se identificou, fico feliz. E, se você não se identificou com este, que tal não ler ou me dizer o motivo pelo qual eles não são bons?
      O que eu acho engraçado é que quando você gostou, não comentou, mas passou aqui para deixar a sua crítica 😉

    • Reply Simone 17 de abril de 2016 at 10:02

      Pra mim esse post eh bem útil. Muito.
      Moda eh beleza. Beleza eh progresso social e evolução espiritual. Fútil eh quem critica os outros, sem argumentos, sem nada a dizer. Adoro esse site.

      • Reply cristina zaago 11 de maio de 2016 at 17:52

        Eu resolvi escrever por causa da critica do sr. Jose. Eu entendo o ponto de vista dele (é o mesmo do meu marido, do meu pai e irmão), e eu fiquei até com uma inveja do José… sim, isso mesmo… Pra nós mulheres nos desapegar da imagem de MULHER que a midia e a sociedade nos impoe, é muito dificil, acho que por isso a gnt fica procurando textos e outras mulheres pra seguir… afinal vc já viu a midia vender sabonete pra P…. ? mas pra pepeca tem várias marcas… (to citando isso pq eu fico louca com os sabonetes intimos que nada mais são do que sabonetes e fazem uma campanha pra nós comprarmos) vc já viu o tanto de comercial que tem voltado para nós mulheres? Sem falar que no mercado os menores salarios sãos os nossos… enfim fiquei com inveja mesmo… pq homem toma um banho poe uma roupa e tá pronto e a gnt fica com a parte do cabelo pintado, chapado, alisado, uma make perfeita, unhas, sabonete intimo, depilação… Por isso não ligue pras criticas masculinas, faça seus textos pq sempre terá publico pra quem escreve bem… Parabéns… e o seu texto é futil sim sabe pra quem? pra um diretor de marketing que fica horas pensando em como nos fazer comprar mais!!!

  • Reply Giovanna 8 de julho de 2015 at 17:14

    Muito legal o post FÊ!!!
    Qual foi o 1° passo para desapegar dos “desapegos” de roupas, moda e etc…

    Como sempre, você arrasou nos posts, parabéns!!! 😉

  • Reply Mari Magno 9 de julho de 2015 at 06:55

    Muito legal, Fe! A vida fica tão mais leve com menos coisas! Estou adorando esse assunto! Beijos

  • Reply Monica 9 de julho de 2015 at 09:31

    Fê, senti uma grande identificação com este post, pois quando comecei a me sentir sem estilo, minhas primeiras referências de atualização do armário foram as mulheres francesas. Através de pesquisas em livros e blogs, acabei percebendo que pouco do que tinha em meu armário poderia me tornar tão simples e elegante como eu gostaria de ser. Foi aí que comecei a fazer doações e vendas de várias peças e, de repente, me senti mais leve tendo poucas roupas! Hoje, que já me identifico com tudo que tenho, percebo que não são precisos muitos itens para compor um guarda-roupa versátil em qualquer ocasião.
    Este comentário enoooorme é só para ilustrar que qualquer pessoa, independente do seu estilo de vida, pode se tornar minimalista e bem-vestida.
    Excelente texto – como todos – e no aguardo da continuação!

  • Reply Marcelle 9 de julho de 2015 at 11:41

    Adorei a ideia, manter peças básicas, mas poder comprar roupas diferentes para dar um ar moderno sem ficar pensando somente no que dita a moda. O problema maior para mim é desfazer das peças que tenho e sempre fico pensando, “um dia vou usar”… Senti falta de roupas de festas, entra no básico ou nas 5 da estação?

  • Reply Naka 19 de julho de 2015 at 21:38

    Post super interessante! Gostaria de saber também dicas de quantas peças de cada seria um número bom (ex: 2 camisetas brancas, 3 pretas, etc). De quanto em quanto tempo seria bom manter as peças, exemplo, mantendo as peças por 1-2 anos e depois vender,trocar,doar as peças e renovar o guarda roupa.

  • Reply Patricia 24 de julho de 2015 at 00:11

    Oi Fê, há bastante tempo acompanho suas postagens mas este é meu primeiro comentário =)
    Achei curiosa a sua lista que, embora super inteligente , é composta basicamente de preto e branco. Eu sei que ninguém perguntou mas são as cores que menos gosto, que menos acho “cores” hehe… é que o meu neutro é o “rosê” e o vinho. São minhas cores favoritas e , poderia usar sua mesma lista pra mim, mas as cores seriam bem diferentes. Mas amei sua conta, de verdade.

    A segunda coisa é que adoraria conseguir viver com tão pouco. Eu nunca fui acumuladora-super-comprona mas quando me mudei de país, trouxe poucas coisas (pra ser exata, uma mala de roupa – que na verdade, nem é tão pouco assim). Mas com o passar dos dias, comecei a sentir um tédio gigante de usar as mesmas coisas (claro que o frio opde ter colaborado com isso, pq é chato demais usar, por 7 dias na semana, o mesmo casaco pq não pára de chover).. Enfim. Mas daí comecei a costurar um tanto de coisas pra mim e fico achando que não tenho mais “apenas” uma mala de roupa. Agora nem sei como farei quando resolver migrar de novo…

    Ai, falei, falei demais.
    Pat

    • Reply Fe Neute 24 de julho de 2015 at 00:54

      Oi Patrícia!

      O bom de todo esse meu aprendizado é que, o que é básico para mim, não é básico para você ou vice-versa. Eu sou muito neutra e gosto de ter pontos de cores em bases “sem cor” como você mesmo disse!
      Eu estou aprendendo diariamente e não sou considerada minimalista por muita gente que conheço na estrada, mas a graça de tudo isso é poder ter e usar tudo aquilo que é importante para mim.
      Eu confesso que não sei como seria a minha vida no inverno, mas concordo com você que é entediante usar todos os dias o mesmo casaco. Vou dividindo o meu percurso aqui e quem sabe não aprendemos juntas? 😀

  • Reply Priscila 30 de julho de 2015 at 21:00

    Olá… muito legal o post. Ainda tô no começo dessas descobertas, mas descobri o que quero pra vida. Aliás, inspiração na tua organização de roupas básicas, são realmente coisas que vale a pena ter no guarda-roupa. Como sou pobre, preferia comprar o que dava a economizar mais um pouco e comprar uma peça melhor, ou preferia quantidade a qualidade. Estou mudando…aos poucos.
    Blogs como o seu me inspiram!

  • Reply Débora Rodrigues 10 de agosto de 2015 at 12:33

    Oi fê, gostei muito deste post, me identifiquei com este momento que você também esta passando!
    Acredito que independente de viver viajando, todos devem ter apenas o necessitam para o dia-dia, mas como é difícil..é um verdadeiro desafio!
    Enfim, estou adorando seu blog :0

    Parabéns!

  • Reply Alessandra 24 de agosto de 2015 at 09:17

    Oi, Fe. Há meses venho lendo coisas sobre “enxugar” o guarda-roupa. Vi muita coisa extrema e, na minha opinião, já não era enxugar e sim secar de vez. Deixei passar. Ser radical, no meu caso, só ia me fazer chegar em casa com os dois braços cheios de sacolas num dia em que eu não estivesse, digamos, muito feliz com a vida. Mas ao ler seu post vi que é o mais próximo de algo possível para mim. Não é algo que conseguirei fazer de hoje para amanhã e talvez no final eu acabe com umas seis ou sete peças a mais, mas essa lista será minha meta a ser atingida até o final desse ano.
    Minhas adaptações: senti falta de uma legging na sua lista. Acho que uma legging de tecido mais grosso combinada com uma blusa mais compridinha é perfeita para viagens, seja de avião, ônibus, trem ou horas dentro de um carro. Como eu disse, de tecido mais grosso, nada daquela transparência porque o tecido é fino ou porque foi comprada em um número menor do que o devido. Aí não dá. Acrescentaria camisetas azul marinho, porque gosto bastante. Para dar um pouco de cor o tricô leve seria vermelho. Vermelho para animar os dias mais menos (coisa da minha cabeça, eu sei). Trocaria as saias: uma por outra calça e outra por um vestido fresquinho. Trocaria os shorts por saias longas, mas é preferência mesmo, faz anos que não uso shorts, não gosto mais (vai entender…). Por último acrescentaria mais uma rasteirinha, uma sapatilha e uma bota marrom, isso porque tenho pés de princesa (eles não sabem que sou plebeia) e não consigo usar o mesmo calçado por dois ou três dias seguidos porque me incomodam, por mais confortáveis que sejam, fico com calos. Ah, talvez tirasse o salto. Eu sei que é elegante, é bonito, mas assim como os shorts, é algo que tem saído da minha vida.
    Desculpe o comentário gigante, estou ansiosa pela sequência. Abraços, Alessandra

    • Reply Fe Neute 24 de agosto de 2015 at 14:04

      É isso mesmo, Alessandra! Você pegou o espírito! Eu sou MUITO básica e acabo colocando mais cores nos acessórios.
      Sobre a legging, roupas de academia não contam nessa lista e eu tenho uma que serve tanto para academia quanto para essas situações, já que eu só uso na academia se está um gelo. Eu sinto muito calor e sempre prefiro fazer exercícios de shorts ou de calça capri.
      Eu vou fazer mais uma série de posts, porque a vida em São Paulo já está me ensinando coisas sobre esse guarda-roupa 😀

  • Reply Camila 28 de agosto de 2015 at 19:14

    Oi Fê!
    Eu estou numa fase em que meu guarda-roupa não me represente mais e estou aqui buscando inspirações pra me descobrir e aí conseguir trabalhar no que eu tenho e onde quero chegar. Tô montando um painel no Pinterest e lendo algumas coisas sobre definição de estilo.
    E gosto muito de cores, mas quero reduzir a quantidade de peças estampadas. Moro no Rio e é quase impossível comprar roupas lisas aqui só que acho que elas temais a ver comigo e tbm que são mais fáceis de combinar tendo um número menor de peças.
    Estou super ansiosa pelos seus próximos posts.
    Bjo

  • Reply Maria Fernanda 30 de setembro de 2015 at 11:53

    Estou em um momento de transição e o desapego vem fazendo parte de todo esse processo! Não vou virar nômade, mas vou mudar de cidade, de estilo de vida, enfim, estou tentando colocar em prática a velha (e muito coerente) história de que menos é mais.

    Seu blog é uma inspiração. Apesar de nunca ter comentado, sempre passo por aqui.
    Beijo!

  • Reply Kelly Barros 9 de outubro de 2015 at 19:03

    Tenho lido cada vez mais sobre esse guarda-roupa minimalista, e tenho pensado em fazer. Porém me livrar das peças que eu já tenho seria muito difícil, por isso, ainda estou considerando.

  • Reply Fernanda Mendes dos Santos 24 de outubro de 2015 at 01:24

    Nossa, ando com esse ” drama ” com vestir e mesmo não me convencendo ainda que realmente fiquei básica demais, pelo menos sei que o que eu fui não serve mais em mim mesmo, não rola, não combina. Também joguei meu guarda roupa no enjoei e dá uma sensação incrível quando pedaços do seu passado vão embora!

  • Reply Sofia Mais Feliz 28 de janeiro de 2016 at 10:39

    Olá Fê,
    Já te acompanho há um tempo mas hoje resolvi comentar, porque tenho muito interesse neste tema do guarda-roupa minimalista mas é-me difícil implementar.
    Já fiz várias coisas: deixei de comprar (para ganhar um consumo consciente), destralhei (coisas velhas e gastas para o lixo e coisas para as quais já não tinha idade ofereci a meninas da minha família mais novinhas) e recentemente transferi tudo o que eu mais gosto para um roupeiro, colocando o resto noutro (para ver se sinto falta e depois decido que fazer).
    A minha grande dificuldade neste processo é largar roupa que embora não me sinta identificada com ela HOJE, tem qualidade e podem ter um come back. E isso já aconteceu com tantas peças de roupa que eu tinha. Deixei de usar e anos mais tarde voltaram a fazer sentido para mim.
    O que sugeres fazer nestes casos? Guardar ou largar? Estarei a ser objectiva ou é apenas apego?
    Beijo, obrigada!

    • Reply Fe Neute 1 de fevereiro de 2016 at 09:49

      Oi Sofia! Acho que você pode guardar sim. Coloque numa mala ou caixa e deixe longe por um tempo para ver se você sente falta. Se depois de muito tempo elas não fazem sentido, você pode se desfazer 🙂

  • Reply Solange 27 de junho de 2016 at 16:29

    Parabéns pelo seu post. Amei mesmo. Eu sofro demais com isso hoje em minha vida fico tentando varias e várias vezes ao ano arrumar, organizar meu guarda-roupa e sempre fica na mesma situação, quero e preciso ter essa coragem de fazer essa mudança tenho roupas demais em meu guarda-roupa e sempre retiro mas parece que aumenta mais e mais…sempre penso nas pessoas que precisam de uma peça de roupa neste frio ou em qualquer estação do ano, e que temos tanta para doar e quando for comprar pensar duas vezes se precisamos ou não de mais uma peça de roupa que já temos. Infelizmente não podemos agradar a todos existem pessoas ignorantes que sempre estão aqui para nos criticar, mas não sabem como esse processo é difícil mesmo (desapego) . Um abraço grande a você.

  • Reply milena 24 de agosto de 2016 at 19:40

    Amei o post. Nos ajuda a ter uma guarda roupa inteligente e ate gastar menos dinheiro.

  • Reply Lídia 5 de setembro de 2016 at 10:18

    Achei seu blog ontem, pesquisando sobre minimalismo na internet. Dei de cara com um outro post seu que me fez repensar muito sobre como estou conduzindo minha vida. E meio que instintivamente, semana passada fiz essa limpeza no meu guarda-roupa. Juntei tanta coisa que não usava (roupa, calçado, maquiagem, até bijoux). Ainda não doei ou fiz um brechó. Estou trabalhando meu psicológico para isso. Parece que nós mulheres temos a tendência de sermos mais apegadas a coisas materiais e mais acumuladoras também. Quero fazer dessa filosofia um estilo de vida. Eu sinto que tudo o que tenho me prende aonde estou e que se eu tivesse menos, eu não seria tão apegada e consequentemente, estaria livre para fazer viagens, mudar de cidade ou qualquer coisa do tipo, que eu sempre tive vontade. Eu tinha 3 portas de um armário, cheias. Reduzi tudo para uma. E quero reduzir ainda mais (quem sabe para uma mala! rs). Não precisamos de 50 batons, ou 10 perfumes, ou 5 shampoos de marcas diferentes, ou 60 pares de sapatos. Tudo isso só serve para encher um buraco na alma que não tem fundo. Ou talvez, queremos ter apenas para sermos aceitos, “ostentar”, mas no fundo sabemos que nada disso nos traz felicidade!

  • Reply Monique 8 de setembro de 2016 at 15:57

    Adorei o propósito, não adianta termos muitas roupas que não usamos.
    Me lembrou o livro da Marie Kondo sobre organização , se você não leu acredito que irá gostar.

  • Reply Natalia 1 de janeiro de 2017 at 18:46

    Nossa, gostei muito desse post muito útil para mim, pois estou pensando em aderir ao estilo minimalista e por isso estou buscando todas as informações sobre o mesmo.

  • Leave a Reply