Vida Nômade

5 MOTIVOS PELOS QUAIS VOCÊ NÃO DEVE LARGAR O SEU EMPREGO PARA VIAJAR O MUNDO

13 de Fevereiro de 2014

Eu raramente falo sobre as minhas viagens por aqui, mas acaba sendo inevitável que as pessoas sintam curiosidade sobre isso uma vez que eu decidi pedir demissão do meu emprego em São Paulo para fazer essa pesquisa sobre a felicidade viajando pelo mundo.

Depois de 6 meses na estrada, muita gente ainda não entendia se isso era um ano sabático, se era uma viagem de volta ao mundo ou o que eu vou fazer quando eu voltar ao Brasil. Foi por causa dessas dúvidas que eu decidi escrever um pouco sobre a minha vida como uma nômade digital.

Para muitos, inclusive para mim, essa é a vida que todo mundo sonha. Poder viajar sem data definida para voltar, conhecer lugares, viver experiências e trabalhar durante o percurso. Mas, será que viajar pelo mundo fazendo o que ama (ou não) é realmente o único caminho para sair da zona de conforto e ter uma vida mais feliz e plena? Uma vida cheia de significado e propósito? A minha resposta é: talvez não.

– Como não? Não é você a pessoa que está fazendo exatamente isso?

Sim, por isso mesmo. E para vocês não me acharem louca, eu explico:

1. A felicidade está dentro de você

Espero que você não pare de ler depois desse clichê de doer os olhos, mas não poderia ser mais verdadeiro. Quanto mais você busca a felicidade, quanto mais você tenta ser feliz, mais expectativas você acaba criando e elas muitas vezes prejudicam a nossa capacidade de reconhecer a felicidade.

Acho que desde o sucesso de Comer, Rezar, Amar muita gente passou a achar que viajar o mundo poderia ser a solução para os problemas. Isso também acontece porque carregamos memórias de momentos incríveis das nossas férias, lembramos da dor ao fazer as malas para voltar e da depressão do primeiro dia de trabalho.

Mas, mesmo que você decida viajar por um ano inteiro, vivendo uma aventura diferente todos os dias, a realidade um dia vai bater à sua porta. E quando você voltar do seu ano sabático, será que vai estar preparado para encarar o que te espera?

OK, você percebeu que seu trabalho te permite ser um nômade digital e você vai poder viajar para sempre! Eu te garanto, depois de alguns meses isso não vai te fazer muito mais feliz do que você era antes, sabe por que? Porque viajar vai virar sua nova rotina e como toda rotina, vai ter seus momentos de chatice, tédio e encheção de saco.

Você talvez não seja mais feliz em nenhum outro lugar se já não for na sua vida normal. Se as coisas simples que acontecem no seu dia-a-dia não estão te fazendo feliz, acredite, isso não muda por você estar viajando por um longo período.

2. Viajar não vai solucionar seus problemas

Parece meio óbvio depois do primeiro item, né? Mas eu quero te cutucar um pouco mais. Independentemente de onde você esteja, você já parou para pensar no que faz a sua vida não ser pequena? Ou sobre qual é o tipo de trabalho que te faria feliz? Ou quem sabe, sobre qual é o estilo de vida que te faria mais feliz?

Nenhuma dessas respostas vão aparecer magicamente enquanto você estiver meditando em Bali ou andando pelos templos no Camboja.

Se você nunca parou para pensar nessas coisas, é bom começar essa reflexão muito antes de achar que você precisa fazer uma viagem para se encontrar. Ao contrário do que muita gente pensa, viajar pelo mundo pode fazer você ficar muito mais perdido.

3. Sonho VS Realidade

Para que a gente tenha uma vida feliz é preciso que haja equilíbrio. Tudo que acontece em excesso gera um desequilíbrio inevitável que vai acabar trazendo algum tipo de angústia ou até infelicidade. Isso vale para tudo. Beber demais, comer de menos, trabalhar demais, se divertir de menos e até, viajar demais.

O que você tem feito para trazer mais animação e alegria para a sua vida cotidiana? É bem mais fácil ter uma vida incrível viajando, sem dúvida, mas vamos combinar que ninguém é como um pássaro que migra todo inverno deixando tudo para trás todos os anos. Mesmo quando tomamos essa decisão, sabemos que isso não vai durar para sempre e se você não estiver preparado, vai ficar muito mais difícil ser feliz com uma vida normal depois de uma experiência como esta.

Essa foi uma das principais razões pela qual eu sugeri o desafio #100diasfelizescomavida. Primeiro, porque quem participa passa a prestar mais atenção nas pequenas coisas que fazem a vida mais feliz, mas também, para mostrar que mesmo viajando vocês vão poder ver o quanto a minha vida é normal.

4. A armadilha do “faça o que você ama”

Esse eu “roubei” do texto incrível que eu li esses dias e você também deveria ler no link acima!

É uma entrevista que a Dani Arrais e a Luiza Voll da Contente fizeram com a socióloga e doutora em ciências sociais pela UNICAMP, Barbara Castro:

“Não é todo mundo que pode, efetivamente, largar tudo e botar um mochilão nas costas (e aqui não faço nenhum julgamento moral sobre isso, é só uma questão de oportunidades e de classe), isso gera uma ansiedade absurda em quem já se sente oprimido pelo trabalho. O problema é que o que circula são sempre os casos bem sucedidos. De quem pediu demissão e inventou um negócio bem sucedido. De quem nunca trabalhou em uma firma e vive de frila, rodando o mundo enquanto escreve uma ou outra matéria. Mas o que eu sempre me pergunto é: quem pode, efetivamente fazer isso? Eu acho restrito, ingênuo e glamourizado. Porque amar o que você faz sempre vem acompanhado de ter dinheiro, morar em uma cidade incrível e cara e ser bem-sucedido. É um discurso de felicidade que, além de irreal pra maioria das pessoas, quem não vive de trabalhos criativos que podem ser feitos fora de uma empresa, traz um modelo de felicidade hermético. E acho que o que a gente precisa discutir de verdade é o que existe no trabalho tal como ele é organizado hoje, que nos faz abrir esse flanco entre produção e felicidade.”

Além de não ser fácil encontrar a tal “paixão”, ninguém é feliz o tempo todo, mesmo quando ama o que faz. Sempre vão existir angústias, medos ou sapos para engolir.

5. Propósito

Outro mito gerado pela teoria de viajar o mundo para ser mais feliz é que, vivendo novas experiências, conhecendo pessoas e lugares novos vai te ajudar a encontrar o seu verdadeiro propósito, o significado da sua vida.

Parece que o fato de você estar trabalhando no seu escritório todos os dias das 9h as 18h é o que te impede de encontrar a sua vocação ou aquilo que vai te fazer verdadeiramente feliz.

Desculpe dizer isso, mas você também não vai esbarrar no propósito da sua vida andando pelas ruas de Barcelona ou de Paris. Propósito, além de nem sempre estar relacionado ao trabalho, é algo que você pode encontrar fazendo esportes, testando algo novo, se superando em algo que parecia difícil no começo, correndo riscos, se relacionando com pessoas, ou seja, aquilo que faz com que você tenha razões para sair da cama todos os dias.

O que faz as pessoas acharem que vão encontrar seus propósitos viajando é a sensação de que você vai estar usando o seu tempo de forma mais inteligente e que vai ser mais fácil se abrir para o novo, já que você não perdendo tempo no transito ou no trabalho que você odeia. Só que se você não tem um propósito na sua vida hoje, viajar talvez só te proporcione uma mudança de cenário.

Embora possa parecer, eu não quero te convencer de que pedir demissão de um trabalho que não te faz feliz e viajar o mundo seja uma péssima ideia. Eu fiz isso e não me arrependo nem por um minuto. Mesmo não odiando o meu trabalho e sendo muito feliz com a minha vida antes disso acontecer, eu precisava alimentar a minha avidez pelo novo, pelo desconhecido, me desafiar a sair ainda mais da zona de conforto e por isso tomei essa decisão. Mas, sempre com o pé na realidade porque ela vai vai me seguir aonde quer que eu vá.

A minha intenção aqui foi escrever exatamente o que você não espera ler quando acompanha um blog como o meu. É dizer que nem sempre você precisa tomar uma atitude como a minha para mudar o que não está fazendo você feliz ou para começar algo que você queira muito.

Quer mudar algo? Comece HOJE. Isso mesmo, hoje, na sua vida normal. Não espere que algo grande aconteça para que a sua vida comece a mudar. Se você não gosta do seu emprego, peça sim demissão, mesmo que você não vá viajar. Este talvez seja o único jeito de abrir espaço para algo melhor entrar.

Mudar de país ou fazer um mochilão pelo mundo é sim incrível, mas não é a única saída para que você comece a criar coisas novas na sua vida. A sua vontade de mudar aquilo que não te faz feliz é!

“Em vez de ficar sonhando com o seu próximo destino de férias, talvez você devesse criar uma vida a qual você não precise fugir.”
– Seth Godin

Imagem: arquivo pessoal.

NEWSLETTER_

You Might Also Like

99 Comments

  • Reply camila 13 de Fevereiro de 2014 at 11:48

    excelente… não adianta ter dinheiro, coragem pra por o pé no mundo, se o que se busca é fuga de si mesmo. a rotina sempre surgirá, o que devemos buscar é evitar que ela seja recheada de mais ônus do que bônus e, repetindo o que sempre digo, buscarmos equilíbrio… Fe, nao acredito que se pode SER feliz, mas buscar ESTAR feliz, com o que nos faz nesse estado. Excelente blog, beijos!

    • Reply rebeca 7 de dezembro de 2014 at 07:00

      Muito bom, concordo com tudo que disse… A felicidade realmente está dentro de nós, acho que ninguém consegue fazer isso por Vc. No momento passo uma situação totalmente zona de conforto e eu sei que meu problema é falta de coragem e até de incentivo ou grana mesmo. Sempre amei viajar e nunca parei mas percebo que as viagens são sempre confortáveis e planejadas nos mínimos detalhes. Quero um dia sim, mudar esse cenário e viver algo diferente. Moro em Brasília que para mim é totalmente monótono e urbano mas rodeado de lugares que Vc sempre pode fugir e curtir a natureza que é oque eu mais amo. Então é isso, a felicidade está em se permitir e parar de reclamar tanto do que Vc aceita… Bjuss boa sorte e muita paz no coração de todos!!!

    • Reply gut 11 de Janeiro de 2015 at 11:52

      Otima colocacao, mas nunca vi nenhum relato de arrependimento em quem fez isso.

      • Reply july 15 de novembro de 2017 at 07:12

        nem eu. adoro viajar e não é fuga é puro prazer mesmo.

    • Reply jacy Barbosa 1 de outubro de 2017 at 14:33

      Gostei muito do seu blog,eu sou daquelas que tem tempo,liberdade ,economias,e prefiro ficar no meu mundo que é uma casca de noz.De boa.A unica chatice é aguentar as pessoas inconformadas comigo por isso .kkkkk

  • Reply Be happy now 13 de Fevereiro de 2014 at 11:59

    Mais um ótimo texto, Fernanda ; )

  • Reply Bruna 13 de Fevereiro de 2014 at 12:05

    Uau, adorei esse texto, Fe. Acho que ser feliz é puramente escolher. Agir. Concordo muito com o que você disse. Creio que realizando pequenas mudanças no nosso dia, nos permitindo conhecer coisas novas, é que descobrimos o que é a nossa vocação e o que nos torna pessoas mais felizes!

    Beijos!

  • Reply jenifer sousa 13 de Fevereiro de 2014 at 12:28

    Incrível seus textos, parabéns! Penso da mesma forma, ninguém acredita que eu sou assistente executiva, porque eu to sempre na praia ou saltando de paraquedas, acho que da sim pra ter um trabalho de 8horas por dia 5 dias por semana e ainda sim ser feliz, não dá pra ficar usando o trabalho como desculpa, por não ser feliz! A felicidade está dentro de nos 🙂

  • Reply Sharon 13 de Fevereiro de 2014 at 13:37

    clap clap clap <3 mais um texto inspirador e que gera reflexão. Faz 2 anos que venho estudando possibilidades e nutrindo um desejo forte. Ainda bem que 2014 é o ano da colheita 🙂 Um beijo!

  • Reply Natalie Soares 13 de Fevereiro de 2014 at 13:40

    Eu tenho um blog de viagem e boa parte do meu tempo é dividido entre a estrada e os relatos de viagem. Seu texto é tão bom e caiu como uma luva para várias questões que eu tenho pensado sobre essa vida glamourizada de “viajar pelo mundo e encontrar a felicidade.”

    Obrigada.

  • Reply D. 13 de Fevereiro de 2014 at 13:53

    Também acreditando que é o ESTAR feliz é que faz a diferença. Estar feliz em tudo o que se faz no dia a dia….Obrigada por compartilhar essa experiência. Bj

  • Reply Camilla Kafino 13 de Fevereiro de 2014 at 15:38

    Impecável!!!! Não há como colocar de outra maneira o assunto da felicidade. E deixar claro para as pessoas que uma fórmula que funcionou para você pode ser a pior coisa para a vida de outra pessoa é tão importante quanto compartilhar os melhores momentos que você está vivendo.
    Obrigada pelo texto e boa sorte 🙂

  • Reply Leonardo Beltrão 13 de Fevereiro de 2014 at 15:41

    Olá. Não te conheço, na verdade não sei como vim parar no seu blog, rs. Tudo bem? Gostei do seu texto, muito, gostei sobre como descreve cada passo exato daquilo que estou vivendo. Concordo com quase tudo. Estou na estrada há cinco meses e de fato deixei tudo ou quase tudo para trás. Coloquei a mochila e vim, agora estou em Bali. E não estou meditando. Estou sentado na varanda da pousada escrevendo-te e vendo a chuva cair. Talvez a viagem não seja a solução para todos os problemas de ninguém. Talvez não, nunca vai ser. Mas acho que cada um tem o seu processo, como a própria moça do livro que você citou. Espetacularizações hollywoodianas à parte, acho que o que te faz feliz sempre é tentar ser mais próximo de ti. A viagem tem me aproximado muito de mim. Me livrei de muitas angústias, me cerquei de muitas outras e não tenho dúvidas de que essa realidade é tão real como quando voltar da viagem. Acho que o mais importante é entender que a viagem em si é só parte de um processo, esse que você chama por felicidade cotidiana, por buscar a essência das pequenas coisas e se entender como gente. Viajo feliz. E muito mais feliz por saber que tem gente como eu na estrada. Larguei tudo também, “pedi demissão” como você bem frisa, e não me arrependo nem um pouco com isso. Acho que quem deposita na viagem qualquer tipo de solução é bem capaz de colocar a culpa no outro pela frustração pessoal. Aqui, achei que ia me desapegar de muitas coisas, mas acabei aprendendo que nada tem muita graça se a gente não se apega àquilo que ama. Ia ficar em Bali só uma semana e já estou há quase um mês. Me apeguei muito nessa cadeira onde estou sentado agora. Aqui escrevo muito e depois não sei. Será um prazer trocar ideias com você e os seus companheiros de viagem. O processo está na gente, e tão somente, mas às vezes precisamos viajar o mundo para poder escrever um post como o seu. Parabéns pelo blog, um beijo.

    • Reply Fê Neute 14 de Fevereiro de 2014 at 02:42

      Oi Leonardo,
      Adorei o seu comentário!
      Eu nunca pensei tanto na vida e nunca aprendi tanto sobre mim mesma como tem acontecido desde que cheguei aqui. Como disse no texto, minha intenção não é desencorajar ninguém, mas acho que muitas pessoas encaram isso como solução e eu não acredito que seja o caso.
      Eu acho que uma viagem pode sim ser um excelente jeito de pensar na vida, mas não acho que seja o único e foi esse o meu ponto.
      Você pode se desafiar e tentar melhorar o que não te faz bem todos os dias, de onde você estiver.

      Que pena que você só encontrou meu blog agora. Eu estava em Bali há 3 dias e teria sido um prazer trocar ideias com você pessoalmente. Quem sabe numa próxima 🙂 Aproveite muito a sua viagem e continue sempre questionando a sua vida, mesmo quando a viagem acabar!

      • Reply Juliana 14 de Fevereiro de 2014 at 13:25

        Estava refletindo sobre seu texto e, ao ler o comentário do Leonardo, percebi que é bem o que eu penso. Eu viajei por 8 meses e voltei ao Brasil. Impossível voltar exatamente para o mesmo estilo de vida de antes, quando se passa por qualquer transformação. Viajar, mudar de emprego, comprar um casa, seja lá o que for, a solução nunca está fora. Propósito e felicidade realmente estão dentro, mas, como disse o Leonardo, cada um tem o seu processo para se aproximar cada vez mais de si mesmo. E acredito que seja colocar atenção ao que te faz feliz o primeiro passo para a felicidade, ao invés de viver a vida no automático. Se é numa viagem, retiro, terapia, trabalho voluntário, ou seja lá qual for a opção, o importante é a escolha. A questão é estar consciente ou deixar a vida me levar… Não há certo ou errado, há escolhas. Não há melhor ou pior, há escolhas. Não há moldes, há opções.
        Sempre que me perguntam como foi meu sabático eu reflito que a decisão de viajar não foi por estar infeliz, minha vida e carreira até que sempre foram muito boas. Mas o desejo da pausa para reflexão para essas escolhas. Não, viajar não é a solução, é a ferramenta. E ferramentas, cada um decide qual será a sua.
        Mais uma vez sinto vontade de compartilhar um texto que escrevi em maio de 2012 . Durante meu sabático a reflexão sobre propósito, carreira e trabalho (algo que faz parte de minha reflexão desde muito antes da viagem). http://aquioualgumlugar.com/2012/05/30/define-parte-de-mim-mas-nao-minha-vida/
        Variação de citações de Chaplin, gosto muito de uma frase que não sei a fonte. “A vida é curta demais para não ser aproveitada, e longa demais para fazer sempre a mesma coisa”.

    • Reply eveline 14 de Fevereiro de 2014 at 08:37

      “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”.

      Leonardo, sou dessas (inclusive na parte de bali, se apaixonar por uma varanda e fincar o pé ao inves de uma semana, três meses e talz)

      Fernanda, eu também escrevo e acho que vc cometeu o mesmo erro que eu mesmo cometo. O dizer que “você vai”, padronizando tudo que acontece de acordo com a nossa experiência e conclusões. O viajar de longa data é tao forte e tão esclarecedor, que parece que nos é revelado uma verdade da humanidade gravado em rocha, que finalmente desvendado para nós, faz com que comecemos a aplicar a nossa nova lógica pra tudoe tudos, e faz o maior sentido. Vou te transcrever um texto do amyr klink que resume a minha “verdade verdadeira”, esse texto do comecinho.

      É verdade que tenho amigos que amam vida como eu jamais conseguirei fazer que nunca saoram do lugar. Mas olha, te digo quantos são: 4. O que eu vejo na grande massa é justamente essa correria atrás do padrão “me dei bem” que eu inclusive corri atrás por anos a fio. Eu nunca fui dona de nada, muoto menos fiz renda enqua to viajei, mais da metade do dinheiro uqe juntei ficou pra pagar as minhas dividas por um ano, o resto foi pras passagens de avião e pra uma coisa que ficava na mina cabeça constantemente: eu nao tenho dinheiro para um ano, mas vou viver ele.

      • Reply eveline 14 de Fevereiro de 2014 at 08:46

        Maus não concluir direito após esse testamento, to num aparelho bem ruim pra digitar demais, mas basicamente é isso: a galera que tem orgulho do que conseguiu e se sente muito realizado vai bater palmas, a galera que foi completamente transformada vai escreverum testamento pra te provar o contrário, e todos os achismos do mundo vão vir correndo se defender por conta do “voce vai”. E sim, a felicidade pode virnuma tarde qualquer numa esquina de barcelona quando voce se dá conta de como gosta de tomar sorvete na praça e conversar com o artista de rua: tudo completamente adaptável ao seu dia a dia, mas que vc levaria uma vida inteira e nao veria

        • Reply Fê Neute 14 de Fevereiro de 2014 at 09:21

          Oi Eveline,
          O que eu mais gosto na internet é que há espaço suficiente para que todos tenham uma opinião. O objetivo do meu blog é fazer um estudo da felicidade e escrever sobre isso com base nas minhas experiências pessoais e isso está muito claro para quem me acompanha.

          O meu olhar para a felicidade é de que não existe mágica e nem felicidade expontânea. Ser feliz exige esforço, autoconhecimento e não é algo que acontece ao acaso. Mas essa é a minha perspectiva e o assunto é abrangente o suficiente para outras.

          Além disso, eu procuro sempre responder aos assuntos os quais mais recebo mensagens, dúvidas ou comentários e, viajar pelo mundo como solução para problemas é um deles.

          Eu não tenho dúvida de que viajar muda a percepção de muitas pessoas sobre o mundo e sobre a própria vida. De que você pode viver experiências incríveis viajando. Mas também acho que isso acontece por estarmos mais relaxados e abertos às oportunidades quando estamos viajando de férias.

          Dizer que coisas maravilhosas muitas vezes só acontecem quando viajamos é até injusto com aqueles que não tem a menor condição de viajar e também merecem ser felizes. Também acho que cada um enxerga o ato de viajar de um jeito e a minha intenção com esse texto é muito mais questionar a vida cotidiana do que dizer que as pessoas não devam viajar.

          De qualquer forma, realmente acredito que viajar inspira, se você estiver aberto a inspiração. Viajar te mostra novos horizontes e possibilidades se você estiver de olhos abertos para enxergá-las. As experiências dependem do estado de espírito de cada um e por isso, nem todo mundo tira os mesmos aprendizados de viagens.

          Ao contrário de você, eu acho que a mesma felicidade que se encontra tomando um sorvete e conversando um artista de rua em Barcelona pode ser encontrada na cidade onde moramos, se estivermos dispostos a isso.

          • Yolanda 19 de Fevereiro de 2014 at 17:16

            Também gosto da internet, acima de tudo, porque concordando ou não pelo menos o ponto é discutido. Sobre o fato de encontrarmos a felicidade em viagens (ou não), concordo em parte com a visão de que é uma fuga. Quando a viagem se torna o objetivo de vida (a pessoa já começa segunda-feira pensando somente pra onde vai no fim de semana; ou ainda, já volta das férias pensando nas próximas) corre-se o risco de cair num terreno perigoso, em que vc acha que se encontrou viajando mas na vdd não está detectando o problema, o que te faz infeliz no dia a dia.

            Por outro lado, achei um pouco contraditório. Tudo bem que você não está fazendo uma volta ao mundo, Fernanda. Está “migrando” de país em país rs. Mas se uma viagem mais longa não te faz refletir melhor sobre o cotidiano e oq te faz feliz pq você foi fazer um estudo sobre o tema na Ásia, em uma viagem longa, e do outro lado do mundo?

            Concordo que a felicidade pode ser encontrada “tomando um sorvete e conversando um artista de rua em Barcelona” ou “na cidade onde moramos, se estivermos dispostos a isso”, mas o ponto é estarmos dispostos a isso. A viagem te traz experiências, visões de mundo que você não possui, te abre a cabeça e aguça seus sentimentos, inclusive, para conhecer a si próprio.

            😉

          • Fê Neute 20 de Fevereiro de 2014 at 14:56

            Oi Yolanda,
            Em um mundo perfeito eu acho que todo mundo deveria ter a oportunidade de viajar, de conhecer novas culturas e se expor a tudo aquilo que não fazemos ideia que existe até antes de começarmos a viajar. Mas no mundo real, nem todo mundo consegue fazer isso seja pelo motivo que for: falta de dinheiro, falta de coragem, excesso de trabalho… E uma das coisas que eu mais tenho visto são pessoas angustiadas porque gostariam de fazer isso e não podem (ou ainda não conseguiram) e também muitas outras que eu encontrei na estrada que sim, mudaram a sua vida de alguma forma, mas também estão angustiadas por não querer voltar para o emprego que tinham ou simplesmente porque não querem mais voltar para o Brasil e não sabem como continuar viajando.

            Para tudo, existem vários lados e eu quis mostrar apenas um deles. Posso fazer um outro post com até mais do que 5 motivos pelos quais viajar o mundo é incrível, mas esse, muito mais gente sabe.

            Sobre a sua pergunta, meu caso foi um pouco diferente (e não estou dizendo que diferente seja melhor ou pior), mas eu queria muito iniciar esse projeto e morando em São Paulo o meu custo de vida era muito alto. Se eu continuasse morando lá, o dinheiro que eu juntei não teria durado nem 6 meses. Eu vendi tudo e não deixei nenhum vínculo no Brasil e a viagem além de ser maravilhosa, me deu a oportunidade de tocar o meu projeto vivendo com muito menos dinheiro do que era preciso para viver em SP (por incrível que possa parecer). É por isso que a minha viagem não é uma volta ao mundo. Eu adoraria poder estar apenas fazendo turismo por todos os lugares maravilhosos que passei, mas minha viagem tinha um outro objetivo e foi isso que me fez ver as coisas com uma dose maior de realidade.

            Acho que todo mundo que tiver a oportunidade, SIM deve viajar! Mas para aqueles que ainda não chegaram lá, é possível ser feliz de outras formas 🙂

          • Leila 24 de Maio de 2014 at 05:58

            Olá Fê !!! Amando sua tese sobre felicidade.
            Sou life coach e estrategista de MKT. Fiz um Guia sobre Realização e Felicidade. Entrando no site http://www.lesaiz.com.br você pode se cadastrar e recebê-lo. Abordo questões das quais você citou. 🙂
            Beijos com carinho.
            Le Saiz

    • Reply Bernard Xavier 14 de Abril de 2014 at 17:46

      Concordo com o Leonardo. Até pq não existe fórmula pra vida. Felicidade pra uns é ver os outros felizes, enquanto pra outros, está em “ostentar” e gastar mt com coisas simples. Isso é um conceito individual. Problemas sempre irão existir onde vc estiver, por mais bobo que seja. Se vc tem problemas financeiros, no dia em que resolvê-los, irá ter outros problemas que antes vc não tinha…. Fugir do problema eu acho algo mt amplo. Sou economista e vejo nosso país afundar com nossos governantes, descontos monstruosos em folha de pagamento sem retorno algum. O fator cultura influencia, onde podemos ver e dizer que o “jeitinho brasileiro” é algo ruim e comum no dia a dia. Dizer que aqui, talvez não tenhamos qualidade de vida como na Europa ou EUA/Canadá, porém não temos terremotos, etc etc é a visão mais hipócrita em nivelar-se por baixo. Nunca por cima. É como vc não terminar um relacionamento pq o sexo com a pessoa é mt bom. Afinal, vc passa os 7 dias da semana e 24h do dia fazendo sexo? vc está nivelando sua vida e sua “felicidade” por conta de 30 minutos que nem sempre serão todos os dias? Talvez pra você sim. Por isso conceito de felicidade é relativo. Na minha visão com 30 anos, vejo que oq importa é ser feliz.
      Li uma frase hoje, que gostei muito:
      “Barcos estão seguros nos portos. Porém, eles não foram feitos para ficar lá.”
      O negócio é desbravar, viver a vida (mais uma vez, oq julga ser felicidade?), sem querer prejudicar o próximo e sendo realmente você. Quando alguém viaja e conhece todas as novas culturas, você começa a colocar numa balança o que é bom e ruim pra você? Oportunidades, custo de vida, fator retorno, tudo isso envolve. Não tenho filhos, sou solteiro, e acho válido. Meus amigos aqui no Brasil, apreciam minha coragem, até pq eles têm apto próprio, investiram rios de dinheiro pra ter um canto.
      Grande abraço e sucesso!

  • Reply Eduardo Vaz 13 de Fevereiro de 2014 at 17:06

    O seu estilo de vida define tudo. O que encanta seu ser e o que te faz feliz é o que representa felicidade.

    Tratando-se de felicidade devemos levar em consideração acerca do modo que temos interpretado do mundo. O que o mundo diz para fazermos e se temos ido contra quem realmente somos.

    Já dizia o chefe Renato Russo: “Mentir para si mesmo é a pior mentira.” – e não é que ele estava certo?

    Não adianta você querer largar tudo para viver uma outra vida de uma hora para outra – a não ser que você tenha vocação realmente para aquilo. Tudo depende de um processo de transformação, de metas que deverão ser pensadas para um melhor resultado – caso contrário deixa de ser felicidade e pode vir a ser um sofrimento.

    Então o segredo de uma qualidade de vida é aliar as aptidões físicas e intelectuais com o mercado de consumo – o melhor de tudo é que há espaço para todos, basta querer de verdade!

    Vale pensar, em termos de mudança, quais são os objetivos que você quer obter. Planejar reconhecendo os riscos, planejando mudanças pelo caminho e agir. É mais fácil do que andar de bicicleta – é natural.

    Escrevo algo mais científico em meu blog, se tiver curiosidade confira – autodesenvolvimento pessoal!

    Parabéns pelo mapa mental que tem criado. Produtivo para o intelecto da humanidade! 🙂

  • Reply gabebritto 14 de Fevereiro de 2014 at 15:16

    Para tentar resolver a vida e tentar encontrar a felicidade: terapia. Belo texto. Parabéns.

    • Reply Lele 18 de Fevereiro de 2014 at 12:32

      Acho que terapia pode ser qualquer coisa que te faça bem: um bom livro, conversa com os amigos, uma paisagem de tirar o folego, passear com o cachorro, um filme inspirador…

  • Reply Jean 14 de Fevereiro de 2014 at 21:26

    Mas não há como negar que quando você está viajando, acho que principalmente pelo fato de reduzir as preocupações mais superficiais que antes rodeavam a sua cabeça (excesso de provas e outras coisas, se você estuda, relatórios, contas pra pagar e outras coisas, se você trabalha), você acaba ficando mais leve e esse vazio, onde existiam as preocupações, começa a ser preenchido por reflexões e pensamentos novos que te ajudam a resolver alguns nós pessoais. Não acho que exista uma “vida normal” e uma “vida viajando”, tudo é uma coisa só, e passar um tempo viajando é só mais uma das infinitas possibilidades da vida. Você descobriu que não precisa passar a vida viajando para ser feliz, mas acho que passar um tempo viajando foi fundamental para você chegar a esse ponto, não só pelo fato de ter vivenciado a experiência de ficar viajando (o que faz com que você tenha propriedade para falar sobre o viajar), mas pela leveza que essas viagens provavelmente te trouxeram. Se você estivesse refletindo, sei lá, sobre sua relação com a família, viajar provavelmente te ajudaria nessas reflexões. Saca onde tô querendo chegar?

    • Reply Jennifer 20 de junho de 2014 at 17:23

      “Não acho que exista uma “vida normal” e uma “vida viajando”, tudo é uma coisa só, e passar um tempo viajando é só mais uma das infinitas possibilidades da vida.”
      Achei genial teu comentário Jean. Concordo plenamente.

  • Reply nara odo 15 de Fevereiro de 2014 at 02:49

    Adorei!!! Tenho essa sensação mesmo que só leio casos de sucesso por ai e que tudo parece lindo e maravilhoso e a solução de todos os problemas. Gostei da realidade assim, nua e crua. Ou encaramos a vida ou criamos sempre empecilhos para encarar ela de fato. ótimo alerta, obrigada

  • Reply Loma 15 de Fevereiro de 2014 at 14:47

    Olha, é a primeira vez que comento. Descobri seu blog pela Vic (Borboletando) e seus textos são uma bonita carapuça na vida. Quanto a esse post, eu digo que concordo absolutamente. Eu costumava acreditar nessa de largar tudo pelo sonho, até o dia em que resolvi sair do emprego para abrir minha empresa.

    Acontece que trabalhei com uma franquia que estava longe de ser um sonho, me dediquei muito mais do que no trabalho assalariado, meu novo trabalho era minha vida, não soube separar: uma coisa era a outra e, apesar de amar me dedicar a algo meu, eu sofri. Fechei, hoje trabalho novamente, mas descobri que consigo ser feliz fazendo algo que eu sei, que me ensina muito, pegando 3h de ônibus todo dia. Me sinto realizada, satisfeita e confesso que o final de semana se tornou sem graça: eu prefiro ir trabalhar todo dia.

    Me identifiquei demais com seu post e acredito mesmo que a felicidade mora na forma como encaramos as coisas.

    Você tem uma nova leitora assídua! Obrigada por esse blog maravilhoso <3333

  • Reply Evelin 16 de Fevereiro de 2014 at 03:30

    Fê,
    tomei gosto pelos seus textos pela racionalidade e objetividade que encontro neles, muito parecidas com a minha forma de pensar. Concordo em partes e compartilho de uma opinião parecida com a do Leonardo, da Juliana e do Jean.
    Sobre a minha experiência: realmente, eu não encontrei as respostas sentada no banco do Central Park, também não tive uma idéia brilhante de negócio mega lucrativo andando pela 5ª avenida, mas esse tempo tá sendo fundamental pra eu conseguir por as idéias no lugar, olhar pro caminho q eu to percorrendo e, se necessário, mudar de rota. Mas sim, acho que todas essas questões e resposta que eu tenho dado pra mim mesma já estavam aqui comigo. Eu só precisava de um “break”, sair do cenário em que eu estava, olhar minha vida um pouco como um “expectador” para chegar às conclusões que eu tenho chegado. E a conclusão pode ser: não quero mais nada daquilo. E nesse caso, a viagem pode trazer uma mudança total de vida, como ficar sentada no mesmo lugar poderia também trazer uma mudança, mas a probabilidade era bem menor
    Sendo bem realista, essas reflexões não aconteciam entre um briefing e outro. Só ficava a angústia.
    Mas acho que entendo um pouco o objetivo do seu texto. Acho que o tema tá muito glamourizado e os relatos sempre muito superficiais (Vc tem que fazer isso porque é IN CRÍ VELLLLL / MELHOR COISA DA VIDA EVERRRR). Isso sempre me bodiou.
    Um beijo enorme.
    Evelin

    • Reply Fê Neute 16 de Fevereiro de 2014 at 13:49

      Você pegou o espírito, Evelin!
      A minha intenção foi justamente tirar esse glamour pintado por alguns. Tenho encontrado pessoas que estão ainda mais angustiadas depois que começaram a viajar, porque não querem voltar para a vida que tinham antes, mas realmente não sabem o que fazer. Não que isso seja ruim ou que elas não estejam aproveitando a viagem, pelo contrário. Mas meu ponto é que autoconhecimento as vezes é dolorido e não é porque pode acontecer por meio de uma coisa maravilhosa como uma viagem, que vá “doer” menos 🙂

  • Reply Julia 16 de Fevereiro de 2014 at 21:41

    Adoro seu blog e a forma como você passa seu sentimento nos textos.

    Faz um ano que conheci o minimalismo e desde de então venho transformando minha vida. E posso confirmar que para melhor.

    Tenho muita vontade de conhecer o mundo, assim como você, mas concordo quando você diz que é preciso se organizar e compreender o real motivo dessa viagem.

    Obrigada por compartilhar suas ideias conosco.

    Sucesso!

  • Reply Aline 17 de Fevereiro de 2014 at 01:30

    Seu texto foi certeiro! Eu sempre me perguntei porque as pessoas se diziam tão transformadas e diferentes depois de uma viagem. Ouvia uns papos chatíssimos de gente que mudou porque passou uma semana na Itália, um dia em Paris… Me parecia até meio forçado, coisa de gente metida a besta. Mas se eu falasse alguma coisa, poderia ser “recalque” meu, né? Hehehe…
    Hoje em dia, depois de algumas viagens, cada vez mais percebo que a felicidade, definitivamente, está em nós! Até escrevi umas linhas sobre isso: http://euseiquevocele.blogspot.com.br/2012/08/voltei-e-ainda-sou-eu.html.
    Muito reconfortante ouvir isso de quem está “na estrada”.
    Onde quer que você esteja, boa sorte e seja feliz! 🙂

  • Reply lindomar batista 17 de Fevereiro de 2014 at 01:56

    as vezes buscamos fragamcias no mundo inteiro mas ,mas são poucos q conseguem encontrar porq as vezes esta no seu lado ou ate em voce mesmo.

  • Reply carolina 17 de Fevereiro de 2014 at 20:04

    Fe, parabens pelo texto! fenomenal! extremamente bem escrito e balanceado! acho que vou imprimir colocar na minha sala haha… parabens mesmo vc conseguiu colocar em palavras perfeitas o que eu estou tentando expressar para um amigo faz um mes.. perfeito ainda mais por ser seu que vive assim! serio, to em choque como esse texto é perfeito haha =D

  • Reply Gabriela Campos 17 de Fevereiro de 2014 at 21:51

    Oi??? Serio mesmo que voce ta falando que viajar, passar por novas dificuldades, conhecer o novo, fazer amigos não muda sua vida? fiz intercâmbio de 1 ano pela europa, e mudou completamente a minha vida e eu me encontrei sim! Acho que a sua viagem não foi tao proveitosa assim, ou voce não sabe o que é viajar, so dou risada, ahahahaa!
    Ps:acho muito fácil alguém que ja viajou falar pra quem tem esse sonho que isso não é a melhor coisa a se fazer

  • Reply Adriana Lima 18 de Fevereiro de 2014 at 00:48

    Oi Fernanda, não conhecia seu blog. Li esse texto e gostei muito do que você falou. Não sei se você chegou a ver esses dois casos de mulheres que se suicidaram recentemente após uma viagem de volta ao mundo. Li seu texto e os delas (que também era blogueiras) e isso me fez pensar no porquê viajamos. Não podemos apostar todas as fichas da felicidade nas viagens. A vida acontece todos os dias e temos que enfrentá-la para o bem e para o mal. Acabei de escrever também sobre uma reflexão que fiz sobre tudo isso. Eu viajo muito, amo viajar e já tomei grandes decisões de mudanças na minha vida durante as minhas viagens. Mas isso acontece porque estamos abertas a encarar a vida todos os dias e podemos parar para pensar no que queremos para o nosso futuro, ne? Muito bom o seu texto! Parabéns!

    • Reply Fê Neute 18 de Fevereiro de 2014 at 09:00

      Oi Adriana! Li o seu texto e também gostei bastante 🙂
      O seu comentário resume bem a minha filosofia em relação à felicidade.
      Espero poder te ver sempre por aqui!

  • Reply Joyce Galvão 18 de Fevereiro de 2014 at 13:01

    Viajei por um ano. Larguei tudo: faculdade, namorado [que ficou muito triste comigo, por estar indo embora e acabou terminando comigo], família e os sonhos daqui. Fui sem olhar para trás. Eu sempre tive esse sonho de trabalhar com um chef espanhol e finalmente havia conseguido.
    No fim, a viagem de trabalho e estudos se transformou em uma fuga também. Fugi de tudo. As pessoas falavam isso, eu negava, mas no fim – fugi mesmo e não vejo problema nenhum com isso. Fugi para um trabalho que sempre sonhei e vivi esse trabalho/sonho. Ele era real e eu tive a melhor época da minha vida. Cai em enrascadas, dei gargalhadas, conheci muita, mas muita gente diferente. Me permiti a fazer coisas que nunca tinha feito e a abrir meu peito para o mundo. No fim voltei. É isso que todos fazemos – voltamos. Seja para onde nascemos, seja para o lugar que mais nos identificamos e nos sentimos com o coração confortável.
    Casei com esse namorado que de tão triste que ficou comigo, terminou o namoro por chat. Voltei para a faculdade que tranquei, me formei e colhi todos os frutos dela. Minha família estava ali quando voltei, de braços abertos. Estava tudo igual, só eu havia mudado e muito.
    No fim, tudo isso serviu para que eu percebesse que sou a melhor cia. para mim mesma e a felicidade, aaah, ela mora dentro de mim! Posso ser feliz no Brasil, nesse trânsito caótico, em Barcelona, dormindo na rua porque perdi o horário do trem para voltar pra minha cidadezinha e até mesmo em Paris, perdida no Marais em plena madrugada correndo para pegar o avião para voltar ao Brasil!
    A vida é o que fazemos dela e como tiramos proveito das situações que nos incomodam.
    Adoro encontrar pessoas que compartilham pensamentos e momentos que nos fazem crescer cada vez mais! Obrigada!!!

    • Reply Fê Neute 18 de Fevereiro de 2014 at 13:18

      Joyce, seu comentário me arrepiou!
      Obrigada por compartilhar a sua história de forma tão sincera aqui. Estabelecer um diálogo é tudo o que eu mais quero e isso não significa que todos precisam concordar com o que eu penso. Mas, confesso que ler o que você escreveu foi como receber um carinho 😀

  • Reply Ariane 19 de Fevereiro de 2014 at 10:17

    Concordo em partes. Quem garante que uma viagem pelo mundo não vá mudar muitas de suas convicções? Que não vá lhe trazer coisas novas que talvez possam fazer parte do futuro que vc procura? Acho que esse texto castiga bastante a idéia de quem anseia conhecer novos lugares, culturas, economias e… Pessoas! Pretendo viajar antes de começar a trabalhar no que quero, gostaria de me levar numa jornada de aprendizado pelo mundo, porque tem coisas que vc só aprende quando sai da sua zona de conforto. Mas reconheço que talvez algumas pessoas viagem para fugir, enquanto outras viajam para buscar.

  • Reply Carol Moreno 19 de Fevereiro de 2014 at 13:16

    Interessante o ponto de vista, mas nem todo mundo que sai numa volta ao mundo está buscando se encontrar ou fugir de alguma coisa… É uma visão meio estereotipada da volta ao mundo… Posso falar porque to fazendo uma nesse momento, e não me enquadrei em nada disso…

  • Reply Arnaldo 19 de Fevereiro de 2014 at 15:59

    nunca vi tanta merda junta!

    • Reply Aldo Lammel 19 de Fevereiro de 2014 at 22:40

      Não digo “merda”, mas é o ponto de vista de alguêm claramente tradicional. Não há ousadia, não há medo. Ainda assim é bom ler esse texto pra nivelar seu perfil, mas JAMAIS deixe esse texto lhe desencorajar. A rotina da nossa sociedade já nos desencorajam justamente a TEMER viver. Ela somente nos instiga a existir, nada mais.

      Recomendo verem este site: http://www.mochilaebike.org que é a minha volta ao mundo de bicicleta. 😉

  • Reply Thiago 19 de Fevereiro de 2014 at 21:23

    Entendo seu ponto de vista, entendo que você quer deixar claro pros sonhadores que a vida de quem largou tudo e foi viajar não é perfeita. Ok, nenhuma vida é perfeita.
    Mas o tom de pessimismo do texto irrita.
    Todos sem excessão irão ter que enfrentar a volta pra casa ou no caso de escolherem ficar no exterior, terão que enfrentar a rotina em algum ponto, porém nada disso tira o sabor da aventura, o sabor de ter finalmente feito algo grande que pode ou não ter te feito mais feliz/completo/com propósito na vida.
    Mas dizer que seus motivos parecem mais nobres do que daqueles que viajaram pra se encontrar e achar um novo “eu” é jogar areia nos sonhos dos outros.
    E daí se eu odiava meu emprego e queria descobrir o mundo e acreditava que a vida seria melhor e mais feliz viajando?! E que todas as experiencias lá fora me fariam mais completo?!
    A idéia de botar uma mochila nas costas e sair pelo mundo é a de se libertar do mundo que suga a sua alma, da rotina massacrante que é viver num grande centro, desigual e individualista, do ritmo incansavel de uma vida que na maioria das vezes não tem valor ou sentido.
    Não acho que ficar na sua cidade vai te fazer infeliz e viajar te fará a pessoa mais completa e sã do mundo, mas ficar em casa e odiar a sua vida não é saudavel.
    Se você fez e não se arrepende, parabéns! Que aqueles que sonham em fazer tenham claros motivos ou não e se joguem! A vida é muito curta pra ficar pensando se viajar vai ou não me fazer mais ou menos completo.’
    “Só se arrempenda das coisas que nunca fez. As que fez lhe ensinam algo, sempre.”
    Eu viajei e me tornei muito mais feliz.
    Abraços.

    • Reply Fê Neute 20 de Fevereiro de 2014 at 14:23

      Oi Thiago,
      Você tocou num ponto que me fez pensar, pois de forma alguma a minha intenção (muito, muito pelo contrário) foi a de fazer parecer que meus motivos são mais nobres do que os dos outros. O que eu quis foi apenas explicar a razão pela qual eu fiz. Na verdade, o meu ponto era exatamente mostrar que nem tudo é tão glamouroso quanto parece.

      No mais, eu concordo com todos os seus pontos e mesmo quando a experiência de viajar por algum motivo acaba sendo ruim, ainda nos ensina muita coisa, como tudo na vida 🙂

    • Reply Osábio 26 de Abril de 2014 at 05:14

      Tiago, discordo totalmente. Você fez exatamente o que você disse que a Fê fez: lançou de um pessimismo. Só que o seu pessimismo é pra quem pensa em pedir demissão pra ficar em casa. Isso mesmo: ficar em casa. Pq isso não é saudável e viajar é? Pq viajar é saudável e ficar em casa não? Ficar em casa, sem trabalhar, sem ter que conversar com quase ninguém, pode ser o que faça feliz algumas pessoas, e eu sou uma delas. Ficar em casa é não ver o tanto de injustiça que existe em nosso país, e no mundo inteiro. Pra mim, aventura, fazer algo grande é bem diferente do que viajar (que acho parado, monótono, chato…), e sim ir à praia, correr, dormir, ajudar os que precisam em casa de caridade… essas coisas me fazem bem, me fazem imaginar fazendo algo grande.

  • Reply Jerusa Meireles Rocha 20 de Fevereiro de 2014 at 00:42

    Não faça dos pensamentos dos outros os seus!
    Todo texto visa apresentar uma visão geral, ai q tem q ter o cuidado d filtrar e pegar o q SERVE PARA VC.
    A unica coisa q concordei é q a felicidade está dentro.
    Quando eu coloquei o pé na estrada
    d corpo e cara exposta não fui para ser feliz, fui para viver experiências e mudar minha visão d mundo…crescer como ser humano.
    Eu voltei dando mais valor para as pessoas, e a vida cotidiana… a gente precisa dela mesmo para ter uma velhice tranquila…
    Mas viajar… te mostra o meio termo… d precisar, mas não virar escravo das ambições materiais…
    É meu ponto d vista!
    E a gente é triste em qualquer ambiente, o ser humano é montanha russa
    nem o cara q é dono d milhões é feliz.. plenamente, muito menos quem viaja, ou vive uma vida cotidiana comum. Nossos anseios existem independente da vida q se leva… isso não serve só para quem larga tudo e vai “viver feliz” por aiii. O importante da vida é crescer mentalmente, e não ser feliz… a felicidade vem como consequência.
    Sabe a frase…. acumulo lembranças e não coisas, da pagina d mochileiros….
    temos q aprender ser assim nessa vida vulgar do materialismo
    Deixar tudo para trás, SEM uma plano de vida, abandonar as metas que temos que ter a longo prazo, eu acho demais…
    Se um dia fizesse isso literalmente… pq não cheguei a fazer visando q podia morrer por aii, pois os lugares que mais quero conhecer são os mais perigosos. Mas se um dia eu fizesse isso, ia ser em um momento q teria um plano averso paralelo.

    Tudo é experiencia… não se apegue no texto. a gente tem MESMO q fazer o q gosta.. mas tem q ter ao mesmo tempo um plano B. Somos dois extremos!
    Se um dia voltar a sair por ai, vou ter o outro lado também q é o averso,
    o plano B srsrs
    volta no texto e só leia os títulos dos cinco motivos..
    reflita… no geral diz q quem acha q vai viver uma vida feliz viajando ta enganado
    e ta mesmo. a vida e nós seres humanos somos montanhas russas, dificuldades, tristezas, vamos ter em todo lugar
    eu mudaria esse primeiro titulo idiota : “cinco motivos para não largar tudo”
    eu colocaria.. ” cinco motivos para vc refletir no que espera em largar tudo”…
    realmente quem fazer isso pensando na total felicidade, vai cair do cavalo, eu mesma sofri muito, mas a superacão q foi o ouro da viagem… faria tudo d novo

  • Reply Leo Rossa 20 de Fevereiro de 2014 at 13:51

    Cheguei no seu site através de um link no Facebook, e concordo com tudo. Saí do Brasil há 3 meses, viajei pela costa oeste da Austrália e agora estou em Bali. Quando a viagem e a descoberta viram rotina, tornam-se coisas chatas. Ainda assim, é o tipo de coisa que eu recomendaria para quem quer expandir sua noção de mundo, natureza e empatia.

  • Reply Fred Shamyoran 26 de Fevereiro de 2014 at 12:21

    Fantástico seu blog! Descobri quando alguém compartilhou o texto “5 Motivos pelos quais….”no facebook. Suas descobertas sobre felicidade guiaram bastamente meu caminho até conhecer uma escola chamada http://www.condorblanco.com

    Me ajudou muito a entender o que vamos fazer quando tivermos nossas metas cumpridas e metas que consideramos a anos luz de distância podem estar a poucos meses. Uma infinidades de fichas caem quando descobrimos que é possível, na verdade é básico ter consciência de nossas vidas, dos passos que damos todos os dias e a visão de onde queremos chegar.

    Obrigado por contribuir para que tenhamos flores ao invés de lixo nos jardins da intenet.

    • Reply Fê Neute 26 de Fevereiro de 2014 at 15:14

      Oi Fred!
      Obrigada pelo seu comentário.
      Eu tentei entrar no site que você indicou mas existe uma norma de segurança em Hong Kong (onde estou no momento) que não permite o acesso. Isso bem comum aqui na Ásia. Semana que vem estarei de volta nas Américas e com certeza vou checar 🙂

  • Reply Thellos 1 de Março de 2014 at 18:29

    Concordo em parte e também discordo em partes, explico:
    Imagine, você não tem trabalho e quando busca só aparece os (trabalhos escravos e pouco remunerado), você busca formação pra mudar esse quadro acima (mais tudo é caro e depende de muito dinheiro) coisa que você não tem…
    mora em um país (sem comentários…) e ainda mora numa cidade ou bairro que você odeia a sua vida toda e que além disso só te traz dor e sofrimento e ainda é obrigado a ficar, não pode sair de forma alguma (diversos fatores)… aí descobre que só existe duas formulas mágica para sua vida seus problemas e sua condição (sonhar e sonhar, pra não morres logo ou pior se corromper a sujeira desse país e se tornar mais um criminoso de gravata em um órgão publico ou pior ir se deixar levar pelo crime organizado que te ilude com uma vida falsa ou piora ainda, continua na vidinha e passa a vida todo se enganando a si mesmo dizendo um dia vai mudar)… perde todos seus familiares, parentes e amigos (se e que de fato você tem amigos de verdade), pois a maioria só lembra de você ou no inicio do mês ou no final dele… e ai se pega vivendo o seguinte quadro (de fato sua vida é vazia, você não tem mais ninguém, sua origem se foi, você não casou e ai nem conseguiu fazer uma família, já olha no espelho e vê os milhares de fios brancos ou pior uma careca lisa e brilhante, olha pra todos os lados e começa a fazer uma retrospectiva de tudo que foi bom na sua vida e tudo de ruim e ai descobre que a balança de percentual tem resultado desastroso e desagradável, então não resta outra coisa a fazer, ou você (se mata – nunca faça isso pelo amor de Deus), ou você espera a morte sem sair da zona de conforto pra tentar saber se algo mudaria, ou pior fica só esperando um anjo da sorte mudar sua vida, ou ainda para aqueles religiosos ou não, fica só reclamando de Deus e/ou pedindo pra ele mudar)… há isso não é vida… então te resta fazer o que?
    O que você nunca tinha feito antes e só ouvia ou via ou lia as histórias dos outros, para com isso, larga esse país de (Mer…. pi pi pi )censurado, e junta tudo que tu tem (se e de valor ou não), e vende tudo e compra o máximo de passagens que tu puder, faz um planejamento, reserva valores para todo o projeto, faz tudo conforme manda todos os scripts que vemos em milhares de blog`s… e pega sua mochila e vasa antes que você morra sozinho, deitado na sua cama velha, ou pior morra sentado assistindo a programação dos canais de TV brasileiros, e só descubram que você morreu, porque uma hora o corpo vai feder e alguém vai se incomodar e chamar os bombeiros pra ver o que é e ai como você não tem nada e nem ninguém, vão te jogar numa cova qualquer e ainda são capaz de nem identificarem a lapide (e deixar como indigente), só pra evitar polemicas e mais custos depois que você morrer…
    Essa e a realidade do porque concordo e discordo do seu ponto de vista… afinal quem já esta assim ou vive dessa forma exposta no meu texto, tem o que a perder, encarando uma viajem pelo mundo… quem sabe acha um lugar e ai lá sua vida de fato mude…
    Abraço… espero não ter cometido nenhum tipo de grosseria, pois não foi o objetivo, apenas quis mostrar o lado de alguns seres humanos que de fato e direito temos nesse país a fora… então o que custa ariscar se não temos nada a mais a perder… então vamos mochilar…
    Eu vou quem mais vai, afinal cansei de olhar no espelho e ver a careca e os cabelos brancos chegar e nada mudar, passei da hora…. kkkkk

    • Reply Renata 6 de Março de 2014 at 12:33

      “Pedir Demissao”. Parece loucura isso. Mas é só um trabalho! E a sua vida, é só a sua vida! Adorei o texto e os comentários.

  • Reply Eduardo 7 de Março de 2014 at 13:06

    Fê, passo aqui para falar que adorei seu Site, passei o Carnaval em um Festival de música, Psicodália (lindo, muita paz e alegria), e voltei com muita vontade de largar tudo e sumir, só me falta umas doses de coragem e um pouco mais de experiencia fora da zona de conforto.
    Mas enfim, um dia quem sabe crio um Site para contar minha história até lá vou acompanhar o seu xD.
    Está de parabéns mesmo, muito criativa. Fique bem e sucesso! 😀

  • Reply Rogério T. 7 de Março de 2014 at 21:08

    Fê, gostei muito de sua colocação e acredito que você foi muito certeira no principal ponto sobre a procura da felicidade: a verdadeira mudança tem que ser feita por nós e dentro de nós mesmos, na nossa mente, na nossa forma de enxergar o mundo, nos conceitos que carregamos. Muitas coisas podem contribuir com esta transformação, inclusive uma viagem como a que você está fazendo. Talvez este não é o único modo e pode nem ser o mais eficaz. Mas é um caminho, como há vários outros.
    Comigo aconteceu uma verdadeira transformação quando conheci um algo muito maior, algo divino, que me trouxe muita paz e felicidade. Não quero aqui entrar numa discussão religiosa pois não é esse o meu objetivo. Só quero dizer que isto pode acontecer com qualquer um tanto em Bali, em Nova York como em São Paulo. Basta-nos sermos humildes e reconhecermos que há muito mais do que supomos conhecer.
    Gostaria de lhe propor um experimento: quando andar por aí nestas praias e lugares maravilhosos, repare bem na natureza, nos animais e nas plantas em sua volta. Escute, cheire e sinta o quanto você também faz parte de um todo harmonioso.

    Fique com Deus !

  • Reply Leo Soares 13 de Março de 2014 at 21:38

    Show de textos!!! É muito bom encontrar alguém que se preocupa em mostrar as duas faces de uma realidade muitas vezes distorcida em outros sites, ou seja, viajar pelo mundo não é só “glamour”, largar o emprego e “chutar o balde” talvez não seja a solução. Tudo necessita de um mínimo de bom senso e planejamento. Muito grato por você passar suas experiências.

  • Reply Joelson 18 de Março de 2014 at 09:04

    Gostaria de acrescentar um sexto motivo que é:

    Tem gente que não gosta de viajar.

    Acho esse um ponto importante, porque ao mesmo tempo que nos forçam a aceitar que é preciso amar o que se faz, também nos forçam a aceitar que viajar o mundo é a experiência mais incrível que um ser humano pode ter. Acho essa visão bastante romatizada também.

  • Reply Miquéias Ostergren 23 de Março de 2014 at 20:16

    Parabéns pelo texto, você acabou de ganhar mais um seguidor apaixonado :)))) rss

    Assino em baixo por tudo que foi dito no texto acima.
    Morei por 2 anos em Dublin (irlanda) Foi sensacional, mesmo não tendo viajado o tanto que eu gostaria mesmo passando pelos perrengues ( sou meio adepto da frase, “sem perrengue não tem graça”), Valeu muito a pena. Tanto que voltei em dezembro de 2010 e sofro até hoje com a Síndrome do Regresso (para quem não conhece da uma olhada nesse link)

    http://virandogringa.blogspot.com.br/2013/11/brasileiros-voltam-do-exterior-com-sindrome-do-regresso-folha-equilibrio-intercambio.html

    Sofri bastante com isso. Mas hoje, resolvi ficar bem onde eu estiver. Em todos os lugares existem coisas boas e legais para se fazer, e vivo todos os dias não apenas nos fins de semana. Hoje velejo, ando de skate longboard, malho, ando na praia, faço Yoga e várias outras coisas e trabalho claro:)

    Sou designer e não vou mentir que já veio pensando em abrir um negócio que eu possa trabalhar online onde eu estiver. Agora que descobri que existe pessoas que também fazem isso me motivei ainda mais.

    Seu blog é incrível Fê sucesso.

  • Reply Miquéias Ostergren 23 de Março de 2014 at 20:19

    Parabéns pelo texto, você acabou de ganhar mais um seguidor apaixonado :)))) rss

    Assino em baixo por tudo que foi dito no texto acima.
    Morei por 2 anos em Dublin (irlanda) Foi sensacional, mesmo não tendo viajado o tanto que eu gostaria mesmo passando pelos perrengues ( sou meio adepto da frase, “sem perrengue não tem graça”), Valeu muito a pena. Tanto que voltei em dezembro de 2010 e sofro até hoje com a Síndrome do Regresso (para quem não conhece da uma olhada nesse link)

    http://virandogringa.blogspot.com.br/2013/11/brasileiros-voltam-do-exterior-com-sindrome-do-regresso-folha-equilibrio-intercambio.html

    Sofri bastante com isso. Mas hoje, resolvi ficar bem onde eu estiver. Em todos os lugares existem coisas boas e legais para se fazer, e vivo todos os dias não apenas nos fins de semana. Hoje velejo, ando de skate LongBoard, malho, ando na praia, faço Yoga e várias outras coisas e trabalho 🙂

    Sou designer e não vou mentir que já veio pensando em abrir um negócio que eu possa trabalhar online onde eu estiver. Agora que descobri que existe pessoas que também fazem isso me motivei ainda mais.

    Amo viajar, conhecer culturas linguás, pessoas de lugares mais diversos do mundo, gosto de fotografia, culinária…….

    Seu blog é incrível Fê sucesso.

  • Reply Claudia 25 de Março de 2014 at 15:21

    Fê,
    Estou maravilhada e agradecendo muito ao Universo por descobrir você!
    Ultimamente estou passando por muitos questionamentos sobre a minha vida e o que eu gostaria de estar fazendo para me dar mais Felicidade. Confesso que não é uma tarefa muito fácil, mas acredito que estou no caminho…pelo menos é o que eu sinto.
    Grata por compartilhar as suas experiências, suas indicações e os seus textos.
    Parabéns!! Muito mais sucesso pra ti!

  • Reply Simone 14 de Abril de 2014 at 14:21

    Pra quem esta se programando para viajar, ver toda essa frustração escrita pode ser um balde de água fria, então precisa pensar melhor em como passar suas experiencias, esse momento é exatamente o que eu estou vivendo com meu namorado, e mesmo que voltemos ao brasil com uma mão na frente e outra atras, nunca perderemos a experiencia que tivemos lá e que será valiosa e teremos historias para contar e não angustias como você. Quem disse que a vida é um mar de rosa em outras partes do mundo?
    Por pior que sejam as coisas, sempre tiramos coisas boas, os momentos difíceis fazem parte e não temos que ter medo de nos arriscar!

  • Reply sergio 16 de Abril de 2014 at 01:50

    Boa noite

    Penso que viajar prá curtir a vida é válido mas para fugir não ,sempre levaremos nossos problemas conosco embora as vezes seja preciso mudar o cenário da vida e ir quando se instala o caos total e a solidão e nossa vida já não faz mais sentido tal como está ,mas mudar não é fugir ,é uma mudança interior que precisa se exteriorizar para ser completa ,tudo depende do propósito da viajem ,dos por ques ,só precisamos estar atentos para não piorar as coisas e cairmos nas mesmas armadilhas passadas e felicidade é um conceito não uma realidade ,a realidade é que a vida é dura para todos ,mais prá uns que prá outros e cabe a nós torna-la suportável para poder continuar.

  • Reply Mari 17 de Abril de 2014 at 22:24

    Caramba, que texto incrível! 😀

  • Reply Mari Vidigal 18 de Abril de 2014 at 00:22

    Excelente texto!

  • Reply Marcus 20 de Abril de 2014 at 17:16

    Oi Fê!
    É a primeira vez que leio um texto seu, e pode parecer uma ironia, mas estou viajando há 7 meses e um amigo me mandou o link… Rs…
    Bom, acho que o texto é excelente para desencorajar aqueles que estão em dúvida sobre as decisões que tomaram na vida e acham que uma viagem vai trazer respostas a tudo ou os que acham que vão ter um ano, ou o tempo que seja, de curtição… Mas para os viajantes de verdade que amam conhecer novas pessoas, novas culturas, novos costumes, conhecer o mundo, enfim conhecer o novo, me desculpe mas como penso que me encaixo nessa categoria, tenho que discordar….
    Viajar é a melhor coisa do mundo!
    Encorajo todos que me perguntam como juntei grana pra fazer isso, ou aqueles que têm a grana – que é muito menos do que a maioria das pessoas imagina – mas não tem coragem…
    Um tempo em outros ares te engrandece mais do que uma faculdade, e te digo isso porque estava com uma carreira – e não um trabalho – bem encaminhada e resolvi dar um tempo, ou melhor, tirar um tempo da realidade…
    Tenho aprendido tanta coisa sobre as pessoas, sobre a vida (e o quão simples ela é) que meu único desejo é manter esse espírito quando voltar pra casa…
    Bom, opiniões divergentes à parte… Daqui uns meses sigo pra América Central rumo à América do Sul e com passagem pela Colômbia! Conheci uns locais daí quando estava em Israel, mas algumas dicas sempre são bem vindas… Rs…
    Um beijo,
    Marcus

    • Reply Fê Neute 20 de Abril de 2014 at 17:23

      Oi Marcus,
      Eu entendo o seu ponto de vista e concordo com ele, tanto que escrevi esse texto em resposta ao que você acabou de ler: http://www.felizcomavida.com/formula-para-ser-feliz
      O que eu acho é que tem muita gente depositando numa viagem pelo mundo a solução de todos os problemas e, embora eu ache que qualquer tipo de mudança é válida, tem muita gente que ainda não pode se dar ao luxo de largar tudo para fazer isso. O que quero que as pessoas reflitam é que a felicidade está em todo lugar e não é preciso fazer uma mega viagem para perceber isso 😉
      Se passar por Medellín e quiser tomar um “guaro”, uma bebida local, me mande um email quando estiver por aqui!
      Beijos e obrigada por deixar sua opinião!

  • Reply Osábio 26 de Abril de 2014 at 05:04

    Discordo parcialmente de seu texto, Fê e do Marcus! Fica parecendo que viajar é o melhor negócio do mundo, ou um dos melhores, para qualquer pessoa. Eu penso em pedir demissão não pra ficar viajando, pois acho isso chato, parado, idiota, banal, monótono. Penso em pedir pra viver uma vida simples, sem viagens (ou raras e pontuais), e com coisas que me fazem feliz, como dormir, ver tv, jogar futebol, assistir esportes, escrever, correr, ir à praia… não gosto de conhecer pessoas, não acho que faculdade enriquece espiritualmente, e nem conhecimentos específicos, e sim, aqueles que vc gosta. Eu gosto de aprender sobre ciência, e me divirto, e me sinto ativo mentalmente e fisicamente fazendo isso. Odeio ficar visitando museu, centro cultural, praça, lojas, tudo muito parado para mim. Antes que diga que dormir é ficar parado. Fisicamente sim. Espiritualmente não. Pelo menos eu tenho uma sensação maravilhosa. Então, acho que o texto deveria direcionar para qq coisa e não só viagem. A pessoa pode pedir demissão e simplesmente ficar em casa curtindo algo que lhe faça bem e pronto, está feliz. Como poderá viajar e também se sentir feliz. Cada um na sua, com seu próprio gosto, sem uma sociedade bairrista. Talvez, quem não encontra a felicidade ao pedir demissão, faça algo que a sociedade force gostar e não o que gosta de fato.

    De qq maneira, a pessoa tem que procurar o seu caminho, e o texto fala disso indiretamente, faltando apenas mencionar que viagem é ótimo para uns, bom para outros, indiferente, ruim e até péssimo para tantos outros. Ver cinema é ótimo pra uns, bom para outros, indiferente, ruim e até péssimo para tantos outros.

    • Reply Fê Neute 26 de Abril de 2014 at 05:12

      Oi Osábio! Eu concordo totalmente com você. Inclusive tem uma frase que eu amo que fala que o tempo que gostamos de “desperdiçar” não é tempo perdido. Eu falei especificamente em viagens porque pelo fato de eu ter pedido demissão e ido fazer uma viagem, as pessoas acabam falando muito comigo sobre isso. A minha intenção foi dizer que nem sempre uma viagem vai salvar a sua vida. Gostei muito do seu comentário, pois ele mostra um outro lado, o de pessoas que não gostam de viajar, de viver essas experiências que muitos julgam tão necessárias para o crescimento e realização de todo ser humano.
      Obrigada por compartilhar seus pensamentos aqui!
      Um abraço 🙂

  • Reply Osábio 26 de Abril de 2014 at 05:29

    Ah! E um último comentário! Apesar de discordar de alguns pontos, e radicalmente, não posso deixar de dizer que ainda assim é muito bom o texto no meu ponto de vista! A idéia central de ajudar os outros a tomar suas decisões depois de analisarem suas vidas minimamente é muito altruísta e está de parabéns!

    Quando fiz críticas, só foi para mostrar outros pontos de vistas sobre VIAJAR, e para também ajudar e encorajar pessoas como eu, e provável minoria, que não gostam tanto de viagens e muito mais de coisas consideradas desinteressantes pela grande maioria, infelizmente! Mas, que precisam viver e encontrar suas felicidades também!

    Por fim, quanto ao trabalho, este pode ser sim o grande problema de sua vida. Quem não gosta de conversar e precisa conversar 9 horas por dia, é muito ruim, e faz mal à saúde e à felicidade!

    Abraços a Todos e principalmente à Fê! E que sejam todos felizes!

  • Reply Patty Tami 7 de Maio de 2014 at 13:14

    Fê! Adorei seu texto! Super resume o que eu penso…
    As vezes parece que existe uma pressão enorme para TER que fazer intercâmbio, TER que morar fora…
    Adorei o seu questionamento sobre esse ser o mais novo padrão de felicidade! Parece que se antes a felicidade era casar e ter filhos, hoje é fazer um intercâmbio! Principalmente por ser um questionamento sobre a escolha que você fez pra sua vida!
    O problema de tudo nem é viajar o mundo ou ficar aqui e comprar uma casa, é isso ou aquilo ser um PADRÃO pra todo mundo seguir, e acreditar só poder ser feliz assim!
    Conheci você no Portal Admnistradores, mas lendo o blog agora virei sua fã! Vou passar a seguir o blog! beijos!

  • Reply Caetano 30 de junho de 2014 at 11:21

    Em que pese a boa intenção não concordo que fazer o que você ama pode ser uma armadilha, pelo contrário, é uma das coisas mais puras que pode existir na nossa vida.
    Eu continuo também com a opinião de que você pode encontrar seu propósito de vida, ou se aproximar muito dele, viajando! pq não? todos sabem que não é nada fácil e que não vemos as mesmas coisas que estamos acostumados, obviamente as pessoas tem propositos diferentes, mas se você realmente quer descobrir qual o seu proposito de vida, uma viagem pode te ajudar!

  • Reply Luiz Alfredo Mattioli 3 de julho de 2014 at 19:30

    belo texto. nao conhecia esse site, irei acompanhar suas publicações. parabéns!

  • Reply Patty 17 de julho de 2014 at 16:47

    Cada pessoa tem um modo diferente de ver a vida, um modo diferente de julga-la… Julgar mesmo, é o hobby predileto do ser humano, infelizmente.

    Eu tenho uma história um tanto quanto … incompleta!

    Parti pelo o mundo um um único objetivo, conhecer… Conhecer culturas, idiomas, comidas, lugares.. Sim era um sonho e nada mais. Chorei de emoção quando vi a Tour Eiffel pela a primeira vez, me emocionei por pedalar em Amsterdã, amei sentar entre os chineses e comer xiaolong e falar nihao até cansar, me apaixonei por aquele Romeno mas noivei com o Ukraniano.. Passaram 8 anos na estrada, inúmeros lugares, trabalhos e pessoas. Conhecimentos que escritório ou aula de sei lá o que ou internet JAMAIS vão poder me dar.

    Concordo que largar tudo o que conquistou com muito sacrifício não seria uma das melhores opções para viver um sonho, concordo que muitas vezes sonhamos tanto que aprendemos que para muitos sonhos serem realizados infelizmente teremos que abrir mão de alguma coisa. Toda a coisa boa tem um lado ruim, como toda a ruim tem o lado bom.

    Abç.

  • Reply Felipe Longhi Malheiro 15 de setembro de 2014 at 13:55

    Pois é, se a viagem for uma fuga, parece que sempre ficam pontos “pra trás”. Por outro lado, a fuga é também uma iniciativa – meio que reversa – de alguém que está buscando se encontrar. A pessoa pode estar fugindo sem saber que está fugindo, até que descobre que está fugindo e retorna pra se “resolver”.

    Esse é só um dos infinitos cenários, a meu ver.

    Abraços a esta gente legal e reflexiva do site e dos comentários.

  • Reply Vanessa 17 de setembro de 2014 at 21:35

    Seu texto é simplesmente perfeito!! Você traduziu tudo o que eu acredito. Felicidade depende da gente, das nossas lutas, do nosso ideal.
    A felicidade está conosco e aqui ou em qualquer lugar do mundo ela vai estar se a alimentarmos, caso contrário nem um jantar luzuoso e romântico em Paris resolver.
    Primeiro post seu que eu li, já sou sua fã.

    Parabéns!

    Beijos

  • Reply Marcelo 25 de novembro de 2014 at 13:30

    Olá,

    Achei interessante seu texto olhando pela ótica da busca pela felicidade, e acho perigoso sempre uma pessoa publicar sobre a felicidade e o seu texto mostra isso, resumindo; “se voce não foi feliz no seu mundo, imagine em outro mundo”. E realmente concordo.
    Mas o que gostaria de compartilhar, talvez faça voce refletir no propósito de viajar, experiência fora do seu país, enfim. Diferente de felicidade ou busca pelo qual voce não se encontrou.
    Talvez, por um motivo afetivo, decepção com família, amigos ou casamento tem algum perfil com que foi escrito. Diferentemente de OBJETIVOS.

    Como voce mesma citou no texto, a decisão de largar tudo , vai depender muito do estado financeiro, conjugal ou qualquer outra coisa que faça impedi-lo de viajar, caso contrário não tem nada que te faça prender no seu estado de conforto, então vale a pena sim.

    Para um pessoa seja qual idade for, se não tem nada que faça prender, como filhos, família, acredito que vale a pena sair do seu bom emprego para se aprofundar em um idioma e vivência em um lugar que te faça de fato a exercer a sua coragem que até nunca voce teve.
    Veja bem, qual é seu objetivo ?
    Viajar para ser feliz apenas ? talvez não seja ideal mesmo.
    Viajar por estar cansado da vida, rotina. Vai te dar várias doses de adrenalina e energias. Com dinheiro e com planejamento vale a pena. Mas qual o resultado disso pra sua vida, objetivo ?

    Agora se o objetivo é crescimento; espiritual, profissional, no idioma, na cultura e acima de tudo para sua vida, qualquer pessoa com planejamento, qualquer idade e independente, seria uma necessidade realiza-lo, independente do tempo e idade, pois hoje em dia não é perca de tempo e sim aprendizado no mundo totalmente globalizado em que vivemos.

    “O Ser Humano se torna extraordinário pela sua coragem…” É impossível uma pessoa não crescer com uma aventura destas, saindo de sua linha de conforto, isso faz crescer no seu mais íntimo e em todas as esferas de convívio e volta renovado e com os horizontes à sua frente.

    Abraços

  • Reply José G Antunes 19 de dezembro de 2014 at 04:53

    Muito bom o texto. Felicidades são pequenas porções de bem. Sou feliz onde estou. Sou feliz com meus pequenos bens, com as coisas simples, com meus netos, minha família, com meu cachorro com quem passeio quase todos os dias. Com meus amigos com quem caminho até ao mercado aos domingos. Com minha mulher com quem vivo há 34 anos. Faça-se feliz.

  • Reply Célio Lemos 23 de dezembro de 2014 at 01:46

    Li e reli a matéria e os comentários. Gostei muito da matéria e de alguns comentários. Vivo constantemente esse limiar entre chutar o balde e deixar a vida continuar me levando. Racionalmente chego na mesma conclusão que vc chegou, mas porque a voz interna ainda continua inquieta? Ela é tão alta que nem sei como cheguei nesse blog e investi toda a minha atenção a ele (algo com tal qualidade deveria ser de acesso mais amplo). Em alguns momentos a inquietação é tão grande que o desespero faz a gente achar que o Mr Google tudo explicará. Mas não é que dessa vez ele pode ter trazido um pouco de alento à minha alma! O crédito dele é menos do que o seu, ele foi o guia e vc a sabedoria.

    Sintetizando tudo que li, essencialmente a viagem de auto conhecimento normalmente é para outro país, normalmente no oriente, para nos afastarmos o máximo possível da vida que levávamos, para que assim tenhamos uma reflexão mais neutra. Provavelmente no próximo milênio, essa inquietação da alma humana continuará existindo, e talvez peregrinação já não seja para o oriente (hoje o lado mais distante do ocidente), e sim, quem sabe, para alguma lua ou outra galáxia!

    O que eu quero dizer é que a inquietação só silencia com a morte. O nível de susurro será determinado pelo nível de equilíbrio que, eventualmente, consigamos atingir e manter, sempre que possível. As viagens é uma das formas de começar esse processo de “calar a boca” da inquietação da alma humana, porque traz consigo a reflexão, quase que inafastável. Mas acredito que existam outras formas de se atingir esse nível de reflexão, que é a busca insaciável por conhecimento. No momento essa busca é a minha muleta para ainda não dizer “foda-se” ao “ego” e bem vindo ao “id”, e, mesmo tendo captado a essência do texto, ainda assim cair no mundo!

    Parabéns de verdade. Texto inspirador!

  • Reply jose carlos 19 de Janeiro de 2015 at 16:27

    Quanta asneira de livro de auto ajuda! Vá ser feliz em sao paulo, pegando aquele metro fétido da Estacao da Luz todo dia pela manha, com gente se matando pra conseguir uma vaga no trem! Vai lá, onde voce voltando pra casa tem um sujeito com uma arma esperando voce aparecer pra te roubar, onde seu salario nao rende merda nenhuma. Vai nessa conversa fiada isso aí nao leva a nada, sair do Brasil pra melhorar de vida é o que vale nao essa balela!!!

  • Reply Maressa Censi 20 de Janeiro de 2015 at 12:03

    Vou postar essa foto e última frase no face.
    Adorei refletir com o texto.
    Estou nessa ansiedade absurda.. 🙁

  • Reply Cassio silva 22 de Fevereiro de 2015 at 16:18

    PQP!! Por favor, nao pense que eu sou mal educado. No cotidiano eu até xingo. Mas on-line eu evito até escrever. Mas adotei uma convençao: uso estas 3 letrinhas quando um texto é daqueles que realmente falam algo que eu concordo muito (o que é o caso) ou preciso ouvir (alguns pontos aqui sim…) significam Puxa Que Pedrada!!!

    Eu defendo isto tudo. Estou viajando muito a trabalho depois de 6 anos estacionado.
    Àqueles que falam “que legal!” Eu pergunto o motivo: “ahhh voce conhece gente, lugares” eu digo: “como? Se fica dentro de uma sala de 8 as 20? Sai morto para o hotel Conhecer o que assim? E da sua cidade? Voce conhece algo? Conhece pessoas sem precisar viajar?” No meu caso nas 4 primeiras semanas eu conheci muitas pessoas! Muitas mesmo!! Pessoas maravilhosas que viverão para sempre dentro de mim. Vamos ver as próximas. Obrigado!!!!!

  • Reply Tiago Ribeiro 1 de Março de 2015 at 12:11

    FRANCAMENTE? Penso que se o próprio autor desse texto se propusesse a escrever um texto sobre os prós, o titulo seria “50 motivos pelos quais você deve deixar seu emprego agora e viajar pelo mundo”

  • Reply patricia 6 de Abril de 2015 at 10:45

    Nossa, ao invés de me animar e tentar recomeçar, desanimei total kkkkkkk Devo confessar que odeio “banhos de realidade” mas é um mal necessário ne?!

  • Reply SIDRIANE 21 de Abril de 2015 at 02:25

    NOSSA! CHOQUE DE REALIDADE ELA FALOU TUDO! MAIS AINDA CONTINUO QUERENDO VIAJAR RSRS
    BRINCADEIRA A PARTE, VIAJAR TAMBÉM VIRA ROTINA E QUEREMOS NOSSO PORTO SEGURO, MAS A VERDADE QUE QUEM TRABALHA VIAJANDO TEM UMA VIDA MUITO MAIS INTERESSANTE!!!!! PRA MIM ESSA É A VERDADE!!!

  • Reply JÉSSICA TRINDADE 21 de Abril de 2015 at 13:47

    Uau.. Depois de ler praticamente todos os comentários vim escrever o que penso.
    Acho q quem se deixar desencorajar com esse texto vai perder uma grande chance de fazer o que ama…
    Não precisa ser viajar, muitas pessoas preferem construir alguma coisa, e sim já larguei meu emprego porque achava que não era mais pra mim e fui para outro emprego e pronto a vida se ajeitou…
    Agora com 21 anos vou fazer o meu primeiro mochilão, pra começar nem vou repetir essa frase q a felicidade esta em nós… e bla bla. Sim o que penso é o seguinte eu amo lugares, viajar me inspira muito e to aqui pra dizer mais uma coisa eu sei quem eu sou, acho que independente de qualquer coisa o que é mais importante na existência de alguém é estar perto de Deus, partindo do pressuposto que tenho Deus e tenho tudo as viagens são um complemento da minha indenidade, não é a solução para a felicidade pois já me sinto uma pessoa feliz, estou indo viajar para ter carimbos no passaporte, para conhecer os lugares que muitas vezes tive que ver apenas em minhas revistas de turismo. O que vai acontecer eu não sei serão consequências da minha atitude de ir viajar. Não criei expectativas muito menos a busca para a felicidade já aprendi que a felicidade sempre vai te acompanhar quando você se perguntar o que você realmente ama…Pra finalizar acredito que se as pessoas que querem se encontrar, buscarem dentro de si apenas a resposta o que eu gostaria de fazer, se não tivesse medo? Dificilmente depois dessa pergunta a resposta certa não aparecerá. E descobrindo faça sem medo, mesmo que seja largar o emprego, viajar ou plantar bananeiras mais faça algo por vc. Eu estou tão feliz por que vou viajar !!meio contraditório não? Se fosse assim não era nem pra essa frase existir e sim a frase: Eu serei tão feliz quando for viajar… A verdade é que será os meus sonhos sendo realizados ali bem diante dos meus olhos, mais a verdade é que já sou feliz antes de ir, porque me fiz a pergunta e vi que o que eu queria fazer era conhecer o mundo, agregar mais e mais vida a minha maravilhosa vida. 🙂

  • Reply Alberto 16 de Maio de 2015 at 17:15

    Após pensar em sair deste país desrespeitoso, comecei a ler de tudo para efetivar ou nao a minha idéia. Cheguei hoje a este blog que está entre os mais pessimistas de todos que ha meses leio (nao estou criticando). Este pessimismo todo de que nao vale a pena, de que voce pode ser feliz na sua terra natal, de que viajar é uma fuga, etc… me fez valorizar ainda mais o contrário, que é exatamente como penso. La fora está a novidade, o atrativo, o despertar de sensacoes. Aqui no Brasil está em primeiro lugar a violencia, o desrespeito, cuja alegria do povo, simpatia e o tal jeitinho escondem e iludem a triste realidade. Deixo carreira segura (raridade com a economia podre que construimos), familia unida,poucos e bons amigos. Vou me atirar sim em busca principalmente de vida que valha a pena e que nao esteja sob risco de um louco qualquer me dar um tiro na esquina. Ao final de toda a leitura, de varios posts, concluo: VOU SAIR DO BRASIL . Boa sorte a todos nós, acomodados ou não.

  • Reply Fernando 23 de Maio de 2015 at 00:40

    Alberto, você mencionou que este é um dos blogs mais pessimistas entre tantos outros que acessou. Mas, talvez você não tenha entendido que não há qualquer pessimismo aqui, mas sim um ponto de vista diferente de muitos que vemos na net. É possível notar uma certa revolta no seu post. Não sei o que você tem vivenciado, mas fico feliz que já tenha tomado sua decisão de sair do Brasil. Que encontre o seu caminho lá fora. Desejo sorte e sucesso.

  • Reply Carol Sales 30 de junho de 2015 at 04:02

    Oi, Fe
    Seu texto é simplesmente fantástico!
    Eu consigo entender perfeitamente o que você está dizendo pois eu também tenho refletido sobre esse assunto há muito tempo. Moro na Nova Zelândia há 4 anos e vivenciei (ou melhor, ainda vivencio) o que você comenta no seu texto. Há cerca de dois anos, ouvi de uma pessoa que me ama muito algo mais ou menos assim: “O problema não é o lugar onde você mora. Você pode se mudar pra qualquer lugar do mundo, mas se você não mudar o que quer que precise ser mudado internamente, vai continuar atraindo as mesmas circunstâncias e recriando a mesma vida que um dia não te servia mais, onde quer que você esteja”. E foi isso que aconteceu comigo…
    Nesse momento estou no que pode ser chamado de “período sabático”, mas não estou viajando pelo mundo. Saí do meu emprego e estou passando por esse processo de mudança e auto-conhecimento de uma forma diferente da que geralmente vimos pela internet.
    Estou contanto esse processo no http://www.crisedos30.com, inclusive ontem mesmo escrevi um texto abordando algumas das mesmas questões que você abordou aqui, mas de forma diferente… http://crisedos30.com/2015/06/29/11-dia-uma-nova-prisao-disfarcada-de-liberdade/
    Beijos e parabéns pelo seu trabalho! É inspiração pura!
    Carol

  • Reply Paloma 4 de julho de 2015 at 17:04

    Boa tarde!
    Entrei no seu blog por um acaso, li todo o conteudo sobre viajar o mundo, e discordo. Viajar o mundo para mim, é mais do que um sonho, é uma meta de vida, e assim como eu, há muitas outras pessoas com esse mesmo sonho. Não digo que você está errada sobre o seu pensamento, mas muitas vezes, as pessoas entram aqui para ler e acabam se desmotivando com os tópicos. Acho que cada um pensa de uma tal forma, e o que para você é um fato, para outros é uma grande desmotivação de um sonho muitas vezes, até de criança. Bom, aqui está minha opinião, espero não ter ofendido, foi apenas um comentário.

    • Reply Fe Neute 4 de julho de 2015 at 19:17

      Paloma,

      Se viajar o mundo é seu sonho, você vai fazer tudo o que é preciso e nada vai te desmotivar. Agora, para muita gente, viajar é uma fuga e eu conheci muitas pessoas na estrada que se frustraram porque criaram expectativas irreais sobre as viagens. Aqui, foi apenas um dos meus pontos de vista 🙂

  • Reply Lincon 17 de julho de 2015 at 21:16

    Fernanda,
    Acho que entendi… também tenho a impressão de que muita gente pensa que viajar pelo mundo é a solução para todos os problemas existenciais (e pode até ser mesmo né? rs), mas eu acredito que não seja a unica.

    Abs e até mais,

    Lincon

  • Reply Marina Lara 4 de agosto de 2015 at 15:37

    Acabei caindo sem querer neste blog e confesso que o nome me chamou a atenção, afinal o que ando procurando por esse munda da internet é como ser feliz. Sou nova (apenas 19 anos), mas a vontade de viajar e lagar tudo estava tomando a minha cabeça inteira, já faz um mês! Me sinto presa na rotina, cansada e sem um futuro promissor. Estava pensando realmente na ideia de largar o meu emprego e fazer a louca, porque me sinto estagnada. Me vem esse texto, como um belo tapa na cara, me dizendo que Comer, Rezar e Amar não é tão boa ideia assim. Só tenho uma coisa a dizer OBRIGADA!! Encontrei a palavra que eu precisava <3

  • Reply Natália Belchior Lopes 8 de outubro de 2015 at 14:34

    Ahh que gostoso descobrir o seu site! Uma feliz descoberta no dia de hoje! Foi muito bom ler o seu relato sobre o fim da era nômade digital, pois acredito que todos nós, como você bem colocou, talvez reforçado após o sucesso de comer, rezar e amar, temos uma ideia distorcida sobre abandonar tudo e sair pelo mundo (e digo isso pq isso já me passou pela cabeça rs).
    Sobre o item 1 concordo plenamente! Tem um livro fenomenal que chama: Felicidade, um trabalho interior do John Powell. Você provavelmente só vai encontrar em sebo, mas vale a pena.
    Tem um discurso feito na Universidade de Columbia (não consegui colar o link aqui) denominada “It´s what you can contribute” Don´t follow your passion do Ben Horowitz´s que vai bastante de encontro com o que você mencionou no item 4!!
    Boa sorte na sua nova jornada!
    Abs,
    Natália

  • Reply Flávio 29 de Fevereiro de 2016 at 09:07

    Sinceramente, de forma empírica sempre me dei bem quando tive de me afastar de algo ou alguém para se bem sucedido. Ficar batendo na mesma tecla é burrice completa.
    Quanto à felicidade descobri a muito que não se conquista, ela se vive naquele momento, por isso , caso necessário largo tudo sim para ter momentos de felicidade.
    Quem segue essa arcaica linha de raciocínio, com medo das novidades que a vida proporciona é porque infelizmente ainda sonha com a eternidade que nunca irá existir.
    Temos de viver felizes agora e já, sem importar se para isso devamos largar tudo.

  • Reply Ana Paula 16 de setembro de 2016 at 21:13

    Simplesmente amando seus posts, conheci seu blog no momento certo, já que estou passando por umas mudanças pessoais e me sinto muito feliz. Você escreve muito bem sobre assuntos interessantíssimos.
    Beijos.

  • Reply isabella 7 de Março de 2017 at 15:13

    gostei do texto, concordo com isso. Eu mesma tenho passado por mudanças radicais, como mudar de cidade, largar o emprego..mas de nada adiantaria se eu não tivesse mudado meus conceitos, minhas crenças. beijos Sucesso!!!

  • Reply Jonathan 19 de junho de 2017 at 22:14

    De forma geral, aplicar fórmulas mágicas para coisas significativas e importantes não funciona. Como eu sei? Experiencia própria. = /
    Vale mais sair do auto engano, do “mimimi”, de enrolar aos outros e a si mesmo e mergulhar nos processos…Vai lá! Cê vai ver que é bem melhor. O fruto é bom e permanece!

  • Reply mara 14 de setembro de 2017 at 15:53

    Depois de 9 anos no casamento com meu marido com 3 filhos, meu marido começou a sair com outras senhoras e me mostrou o amor frio, em várias ocasiões ele ameaçou se divorciar de mim, quando eu queria perguntar-lhe sobre seu caso com outras senhoras, Fiquei totalmente devastada E confundida até que um velho amigo me contasse sobre os médicos do amor chamados DR Goko que ajudam as pessoas com seu relacionamento e seu problema de casamento, ela me apresenta esse médico que realmente me ajuda quando eu entrei em contato com ele, ele conseguiu Meu marido De volta às 48 horas, então ele começou a pedir desculpas, agora ele deixou de sair com as senhoras e ele está comigo para sempre e de verdade. Entre em contato com este doutor do amor em problemas de relacionamento ou casamento e encontre todos os tipos de problemas que você achar difíceis de resolver e ele irá colocar uma solução duradoura para eles. Aqui está o endereço de e-mail dele (dr.gokosspiritualcaster@gmail. com

  • Leave a Reply