Felicidade

O MEDO DE ESTAR PERDENDO ALGO

6 de Janeiro de 2014

Esses dias eu aprendi um termo novo em inglês: FOMO, Fear Of Missing Out. Mas, o que isso significa em português?

O termo, reconhecido pelo Oxford Dictionary, quer dizer basicamente “medo de estar perdendo algo”.

É a ansiedade causada por saber que você não está participando de um evento importante ou emocionante que está acontecendo em outro lugar, geralmente despertada por fotos e posts nas redes sociais.

Faz algum tempo que pesquisas tentam provar a capacidade das redes sociais de fazer o ser humano infeliz. Mas, a verdade, é que as redes sociais só potencializam esse sentimento e ansiedade que sempre existiu nas nossas vidas.

Quando eu estava no terceiro colegial, minha formatura foi dividida em dois eventos: um baile e/ou uma viagem para Porto Seguro. Como eu não tinha dinheiro para fazer os dois, escolhi fazer o baile, já que meu pensamento na época era o de que Porto Seguro sempre estaria lá. Os alunos que não foram, tiveram aula normalmente e a sensação de estar perdendo algo era inevitável.

Nem preciso dizer que quando as pessoas voltaram da viagem bronzeadas, felizes e cheias de fotos já reveladas para mostrar, achei que fosse cair dura de arrependimento. Passei uma semana inteira ouvindo piadas internas, histórias e dancinhas que só aumentavam o meu remorso por não ter escolhido a viagem em vez do baile. Eu já sofria de FOMO muito antes da existência das redes sociais.

Esse fim de ano vou confessar que eu também sofri de FOMO durante o Natal e Reveillon. Isso me fez pensar não só no quanto não valorizamos devidamente as coisas quando elas estão nas nossas vidas todos os dias de graça, mas principalmente, na nossa tendência de achar que a grama (ou o Instagram) do vizinho é mais verde que a nossa.

E, já que esse é um sentimento inerente ao ser humano, o ideal é que a gente aprenda a conviver com ele de forma que ele não afete as nossas vidas, e principalmente, não nos faça infelizes. Por isso, todas as vezes em que você estiver sofrendo de FOMO, pense nisso:

Você está vendo uma pequena fração da realidade

Geralmente, as pessoas tendem a se expressar sobre aquilo que é muito bom ou muito ruim. Quando você é mal atendido em um restaurante e tem uma experiência péssima, você faz um check-in no Foursquare e diz para todo mundo o quanto aquele lugar é uma merda. O mesmo acontece quando você vai naquele lugar badaladíssimo e posta a foto do seu prato no Instagram para deixar todo mundo com água na boca. Mas, aquele sanduíche que você comeu correndo porque tinha de voltar ao trabalho em um dia comum raramente é compartilhado. Só que, se pararmos para pensar, 80% da nossa vida é feita de momentos ordinários que não valem um post no Facebook.

Ninguém é tão bonito, feliz, rico e viaja tanto quanto no Instagram

Quem segue meu Instagram deve achar que eu tenho a vida mais incrível e sem problemas do mundo e que minha maior preocupação deve ser escolher qual é a praia paradisíaca que eu vou visitar na próxima semana. Calma, não estou reclamando, mas como eu sempre digo, tudo na vida tem um bônus e um ônus. Muita gente deve olhar para isso e pensar que é uma merda estar trabalhando enquanto eu estou aqui. Mas, eu te garanto que daqui, sinto a mesma coisa a cada vez que vejo fotos dos meus amigos se divertindo sem mim. Ou quando a minha família teve o Natal mais feliz dos últimos anos e eu não estava lá. Ou quando alguém compra um apartamento e eu penso que estou gastando todas as minhas economias. A vida é uma soma de perdas e ganhos, onde o balanço deveria ser positivo. Isso leva ao meu próximo ponto.

Todo mundo tem algo a agradecer

Sempre que sinto esse medo de estar perdendo algo, penso em todas as coisas maravilhosas que eu tenho na minha vida. Eu também entendo que nem todo mundo tem a vida que gostaria, mas tenho certeza de que todo mundo tem algo a agradecer, seja uma família unida, uma saúde de ferro, um namorado carinhoso, filhos fofos ou amigos que são como irmãos. Nunca vamos ter tudo, já que parte da nossa motivação também está na busca, mas somos muito mais felizes quando agradecemos àquilo que temos.

Peraí, essas pessoas são suas amigas, certo?

Quando você aceita ser amiga de uma pessoa no Facebook ou escolhe seguir alguém no Instagram, é porque de alguma forma você se interessa pela vida daquela pessoa. Eu sei, muitas vezes só estamos sendo educados, mas existem configurações para que você só veja aquilo que te interessa. Além disso, uma das coisas que eu tenho aprendido com a minha pesquisa sobre a felicidade é que assim como ser grato pela nossa vida, se sentir genuinamente feliz com a felicidade daqueles que gostamos também nos faz feliz.

Se você constantemente sente medo de estar perdendo algo, FAÇA ALGO A RESPEITO!

Nada como começo de ano para mudar o que não está te fazendo feliz. Não aguenta mais ver todo mundo viajando enquanto você nunca tira férias? Comece a se planejar desde já para uma viagem daqui a seis meses. Acha que sua melhor amiga está distante e fica chateada quando vê as fotos dela com as outras amigas? Diga que você se importa e queria participar. Sempre existe um caminho para realizar quase tudo aquilo pelo qual você sente a famosa “inveja branca” quando vê que os outros fazem e você não. Não é fácil, mas vai ser melhor do que passar a vida lamentando por aquilo que os outros postam nas redes sociais.

E para quem acredita que as redes sociais fazem as pessoas infelizes, o que eu posso dizer sobre esse período em que estou vivendo fora do Brasil é que, por causa das redes sociais ninguém está longe, por mais que você esteja do outro lado do mundo. É graças a elas que eu posso acompanhar o que minha família está fazendo, meu afilhado crescendo, as fotos dos bebês das minhas amigas (pois é, elas são muitas quando você tem 32 anos) e manter contato com todos os amigos que eu fiz pelo mundo! Como isso pode fazer alguém infeliz :D?

Imagem: Brian Cronin

You Might Also Like

28 Comments

  • Reply Bruna 6 de Janeiro de 2014 at 14:23

    Adorei a sua reflexão. Já tinha lido sobre esse “medo de estar perdendo algo” que faz com que as pessoas não se desconectem da internet. Claro que, como você mesmo disse, tudo nessa nossa vida tem bônus e ônus. Só fico triste em ver a maneira como a internet com tantas ferramentas legais para facilitar a nossa vida, muitas vezes é mal usada. Com essa coisa do “FOMO” as pessoas não se desconectam nem quando estão com outras pessoas, quando saem… e ao inves de aproximar quem está longe, afasta quem está perto. Confesso que acho super desconfortável essa coisa de vc estar na mesa com uma pessoa e ela não desgrudar do celular. Parece que o que ela ta vendo nele é mais interessante do que estar ali.

    Enfim, é um ônus dessa nossa nova geração ultra conectada.

    Como você mesmo disse, as pessoas mostram apenas o que querem, as pingas que bebem… (mas nada dos tombos que caem). Enfim… o lance é que a gente saiba o que nos faz feliz. Se formos de fato felizes, fazendo algo que gostamos, nos preocuparemos menos com o que os outros fazem/deixam de fazer de suas vidas.

  • Reply Nicoli 6 de Janeiro de 2014 at 18:07

    Gostei muito da sua reflexão, e enquanto lia e relia, pensei em mais uma consideração a respeito do FOMO: Quando estamos distantes das pessoas que gostamos, por mais que as fotos deles sejam bacanas e o sentimento de ´seria ótimo partilhar da companhia deles´, é interessante lembrar que as nossas próprias fotos podem causar FOMO nessas mesmas pessoas, pois provavelmente elas (os que realmente gostam de nós) também adorariam partilhar da nossa companhia, ou mesmo de nossa oportunidade de vivenciar uma nova oportunidade. Esse sentimento é bem comum principalmente quando estamos numa longa viagem, mudamos de cidade, trocamos de emprego ou profissão. Já passei por isso, diversas vezes. É completamente normal sentir saudade, afinal, sempre tem alguém que amamos e que ficou. No entanto, acho que esse sentimento esteja muito mais relacionado com o ´sair da nossa zona de conforto´. Afinal, se pararmos para pensar, fomos nós que quebramos a rotina enquanto quem ficou, se manteve na rotina…
    No mais, gosto muito do seu blog e tenho aprendido bastante com você e suas experiências. Obrigada por dividi-las por aqui e que você tenha um excelente ano de 2014!

    • Reply Fê Neute 7 de Janeiro de 2014 at 10:55

      Oi Nicoli!
      Obrigada pelo comentário. Pensei exatamente nisso quando estava escrevendo. É meio que o princípio da grama do vizinho sempre ser mais verde. Em algum momento, a gente também é o vizinho 🙂

  • Reply Cris Omura 7 de Janeiro de 2014 at 00:08

    Fê, parabéns pelo blog, pelos textos e pela coragem de ver tudo e viver tudo de forma diferente: a que te faz feliz! Beijo

    • Reply Fê Neute 7 de Janeiro de 2014 at 10:54

      Obrigada, Cris!
      Fico muito feliz quando vejo os amigos acompanhando 🙂
      Beijo!

  • Reply Marggah 7 de Janeiro de 2014 at 18:48

    Fe, excelente texto (para variar). Já estou ficando envergonhada de tanto passar aqui para elogiar. 😉
    Você escreve muito bem, com clareza, inteligência e propriedade. Parabéns!

    • Reply Fê Neute 7 de Janeiro de 2014 at 19:39

      Obrigada e, por favor, nunca deixe de comentar quando achar que deve!
      Beijos 🙂

  • Reply Apenas Simplifique 8 de Janeiro de 2014 at 22:19

    Ótimo texto! Concordo com o que escreveu e realmente a tendência do ser humano é essa: sempre acreditar que a vida dos outros é melhor e com menos problemas. O bom é termos noção disso, para que quando nos pegarmos com tais pensamentos, podemos parar e refletir.

    Beijos!

  • Reply Debora Garcia 9 de Janeiro de 2014 at 03:45

    Conheci o blog hoje e já virei fã. Parabéns pelo texto! Me identifiquei bastante pq sofro desse mal. rs
    Bjos
    Debora

  • Reply Sharon 9 de Janeiro de 2014 at 22:02

    Já li e reli o seu blog de cabo a rabo umas três vezes. Seus textos mexem comigo, me dão saudade de você (oi?), me fazem querer mexer o esqueleto e ir… Tem sido uma terapia intensa compartilhar dos seus pensamentos e da sua pesquisa sobre felicidade. Obrigada, obrigada, obrigada. Que seu 2014 seja rico de saúde, afeto, descobertas e alegrias! Parabéns por suas escolhas, vc me inspira. Um beijo no coração.

  • Reply Stephanie Gomes 12 de Janeiro de 2014 at 11:58

    Fernanda, acabei de conhecer seu blog e estou lendo post por post, é um mais incrível e verdadeiro do que o outro e eu me identifiquei com muita coisa do que você escreve aqui! Eu também tenho um blog onde escrevo sobre felicidade, comportamento, bem estar, saúde etc e tenho lido muito sobre o assunto, em livros, blogs etc, porque é realmente muito interessante. Por causa do blog, também resolvi transformar essas leituras em um estudo, e encontrar blogs como o seu me deixam muito feliz, porque conhecimento nunca é demais, e o seu conteúdo é muito bom e enriquecedor.

    Sobre o post, venho pensando muito sobre o efeito que as redes sociais estão causando em mim e percebi que isso de ver mil coisas acontecendo na vida dos outros realmente me afeta e faz com que eu me sinta inferior. Pensei em cancelar a assinatura de quase todo mundo, deixar só aqueles meus amigos mais próximos mesmo, mas não fiz isso porque acho que esse é um problema que devo resolver dentro de mim. Preciso aprender a parar de comparar minha vida à vida dos outros, olhar mais para o que eu tenho a agradecer e principalmente, fazer algo a respeito, como você disse, e planejar melhor a minha vida para ter mais momentos bons.

    Só de ler seu post e comentar aqui já fiz uma ótima reflexão sobre o assunto. Obrigada por proporcionar isso!

    Beijos!

  • Reply Juliana Aguiar Esteves 15 de Janeiro de 2014 at 22:24

    Conheci seu blog hj, atraves da minha cunhada Flávia (Fagundes) que postou uma foto com vc acho que em Cingapura. Adorei seu blog, e super me identifiquei com variosss de seus textos, ja te indiquei pra minha irmã que tem 22 anos e está na fase da busca pela felicidade e realização pessoal hahha…bjs e sucesso!!!

  • Reply Aline 17 de Janeiro de 2014 at 19:24

    Olá Fernanda, post incrível e verdadeiro vontade de repetir cada palavra sua…Nesses 6 meses que estou fora de casa a coisa que mais pensei foi sobre isso ( A ARTE DE ACHAR QUE ESTOU PERDENDO TUDO )…obrigada por aliviar meu coração com essas sábias palavras, vou compartilhar seu post com os devidos créditos e agradecimentos merecidos!! bjus e boa sorte e inspiração sempre…

  • Reply Nicole 22 de Janeiro de 2014 at 22:07

    Gostei muito da sua linha de pensamento.
    Descobri seu blog meio que por acaso e gostei bastante.
    Voltarei mais vezes e já coloquei no favoritos.

  • Reply Gabriela Miranda 12 de Fevereiro de 2014 at 20:45

    Morrendo de amor pelo seu blog. 🙂

  • Reply Carla Nogueira 14 de Fevereiro de 2014 at 19:21

    Lindos textos Fê!
    Sinto e sofro de FOMO também, como todo mundo. Acredito que devemos pôr prioridades na nossa vida. E vejo que essas prioridades mudam com o passar dos anos. Para sofrer menos, sempre lembro da minha prioridade e me sinto bem melhor.
    Adorei seu cantinho e prometo voltar sempre!

  • Reply Marco 16 de Março de 2014 at 21:04

    Tenho 24 anos e conquistei uma casa para mim. Claro que já agradeci por isso, mas sempre fico pensando se não poderia ter pegado a grana e viajado o mundo como um andarilho sem rumo. Mas depois desse post, vejo que realmente foi um dos melhores investimentos que eu fiz na vida (mesmo que eu tenha uma divida), e também estou novo tenho um futuro muito grande pela frente. A felicidade parece que consiste no modo de observar as coisas. Você pode ver uma mansão e pensar “poxa poderia ter uma igual” e sofre por não ter; ou você pode olhar para um morador de rua e pensar “poxa agradeço pela casinha que eu tenho. Enfim a conclusão que eu chego que não estou perdendo nada mas sim acrescentando, vendo a gama de possibilidades que eu tenho, de morar na casa própria, de fazer uma faculdade, de não estar limitado, jamais.

  • Reply Mariana 18 de Março de 2014 at 03:56

    Me senti exatamente assim quando desisti de um intercâmbio por medo de formar muito velha (25 anos, risos), “atrasar” a faculdade, perder todo o dinheiro investido para o baile e por achar que precisava ser rapidamente mais independente da minha família. Certa disso, desisti do intercâmbio e me lamento todo dia por ter perdido uma excelente oportunidade de estudar fora do país por puro medo do que ia perder aqui e insegurança.

  • Reply cidmauro lima 25 de Março de 2014 at 14:31

    Muito bom, parabéns. Apenas uma sugestão: não use a palavra “merda”. Em que pese usarmos, às vezes, isto é um equívoco. Diminui o “ambiente romântico e prazeroso” do texto, tirando-lhe alguns degraus. Não é hipocrisia, mas apenas penso que devemos estar sempre conectado no universo, e palavras “menores” comprometem a conexão superior. Novamente, parabéns. Muito obrigado por você disponibilizar seu talento, experiencia e inteligência para as demais pessoas.

  • Reply Karina 25 de junho de 2014 at 12:37

    Fe, estou sempre te acompanhado.
    Amei esse texto
    um grande beijo

  • Reply juliana 11 de julho de 2014 at 15:13

    Muito legal esse texto..sempre pensei assim, mas nunca imaginei que pudesse ser um problema de várias pessoas ou mesmo contornável. bjs e parabens.

  • Reply Dáyna 15 de julho de 2014 at 00:46

    Olá, amei as reflexões e a forma como você escreve. Me indentifiquei muito. Parabéns pelo blog. Vou acompanhar. Beijos.

  • Reply Driii 24 de julho de 2014 at 21:09

    Fê, sabe o que eu acho legal desse post e dos outros seus que eu já li? A sua sinceridade! Você faz questão de expor o positivo e negativo de tudo que você está vivendo e não demonstra nenhum tipo de hipocrisia criando imagens fictícias a respeito da sua escolha.
    Parabéns! Você demonstra ser uma pessoa equilibrada e genuína. Muito bom ler os seus textos! Com certeza não é a única que, como jovem mulher, possui dúvidas, questionamentos. O legal é que eu entendo, com clareza, fluidez, exatamente o que você quer dizer e compartilho muitos dos seus pensamentos. Muito legal. Tenho 26, trabalho numa empresa, sou feliz. Beijos!

  • Reply Máira M. 20 de Maio de 2015 at 17:50

    Meu marido sempre diz que facebook é o mundo onde todos são sempre felizes. É bem essa ideia aí. E, geralmente, qd caímos no assunto novamente, assumo que nem eu nem ninguém quer mostrar o lado ruim, porque o ser humano é assim mesmo. Mas que as redes sociais são muito boas para quem tem pessoas amadas que estão longe, como você concluiu aí. Acho que as coisas ainda vão mudar bastante nesse nosso recente mundo da super exposição e de querer mostrar o melhor sempre, mas quais serão essas mudanças?

    Belo texto, super ponderado. Parabéns!

  • Reply Antoniela 16 de julho de 2015 at 13:31

    Ei, tu já pensou em escrever um livro? Ou, em encarar o ato de escrever como uma atividade profissional, ganhar dinheiro com isso e bancar o seu estilo de vida dessa forma? De repente pode ser uma ótima maneira de, em vez de só torrar as suas economias, mantê-las ou fazê-las engordar até! IMHO, acho que todos sairiam ganhando: você, nós (seus leitores atuais) e todas as pessoas que estão por aí precisando ler as coisas maravilhosas que tu escreve, de um jeito que é delicioso de ler e ao mesmo tempo dolorido, porque nos atinge no âmago da alma, aquelas coisas que muitas vezes nem a gente mesmo consegue por em palavras! Parabéns e muita sorte na sua caminhada!

  • Reply Lais 18 de agosto de 2015 at 17:56

    Olá Fê!

    Obrigada por resumir o sentimento da minha vida: FOMO rs
    Sinto uma ansiedade sem tamanho, mas procuro sempre fazer alguma das coisas que que você citou, principalmente ser grata!
    Aos poucos, fui percebendo que tem muita gente (mesmo) que acha minha vida linda e perfeita pelo instagram tbm, e é só parar um minutinho pra refletir que concluo: é linda mesmo!

    Adorei o texto, sou sua mais nova leitora! beijos :*

  • Reply Cecília 23 de outubro de 2015 at 12:46

    Olá!
    Adorei o texto! Quero muito entender todos esses sentimentos que rodeiam o ser humano. Incrível como lutamos para estar todos os dias conectados, sabendo um da vida do outro e nós mesmos acabamos por perder o que nos acontece de melhor, bem debaixo dos nossos narizes. Bem esclarecedor o texto. Bom saber que não sou maluca! rsrsrs
    Também escolhi uma vida, que aos olhos dos outros, parecem só rosas, mas só nós mesmos sabemos os monstros que enfrentamos :/
    As pessoas são rápidas em julgar, criticar, apontar. Mas são lentas demais em tolerar, reconsiderar.
    Beijos! 🙂

  • Reply Bruna 25 de Fevereiro de 2017 at 12:21

    Olá, adorei o post…
    Eu realmente sempre acho q estou perdendo algo…mas o meu problema é que eu sinto vontade de viver tudo e vivo num meio onde ninguem quer fazer nada…meu marido e pais só pensam em trabalho, ganhar dinheiro e ficar em casa. Sempre que planejo algo, nada da certo…eles sempre não tem vontade de fazer nada. Pra mim isso q é dificil.

  • Leave a Reply