5 PERGUNTAS QUE VOCÊ DEVE SE FAZER ANTES DE PEDIR DEMISSÃO E SEGUIR SEU SONHO

Share:

Há exatos 9 meses eu acordei as 9h30 e em plena segunda-feira e não tinha que ir trabalhar. O motivo? Eu tinha acabado de pedir demissão do meu cargo de diretora de contas em uma grande agência de propaganda de São Paulo para virar uma nômade digital, trabalhando enquanto viajava pelo mundo.

Quase 2 anos antes de tomar essa decisão, eu já estava vivendo de forma diferente do que sempre vivi. Parei de comprar roupas, não tinha dívidas, tinha um carro decente, mas não muito caro e, inconscientemente, tinha adotado um estilo de vida minimalista.

Tudo isso me ajudou a criar coragem para tentar algo novo, me dedicar ao projeto Fê-liz com a vida! e à minha pesquisa sobre felicidade.

Desde que comecei a escrever sobre as minhas experiências e aprendizados, tenho recebido muitos emails e mensagens de pessoas que além de me parabenizar pela atitude, acabam fazendo desabafos e pedindo conselhos sobre como pedir demissão, viajar ou sobre como virar um nômade digital.

Não é fácil sair de um emprego estável com um bom salário, mas uma boa preparação, tanto financeira quanto psicológica, pode ser muito útil na hora de tomar essa decisão. Por isso, decidi fazer mais uma lista com 5 perguntas que você deve se fazer antes de pedir demissão para seguir sua paixão.

1. POR QUE você quer pedir demissão ou tentar algo novo para a sua carreira?

Se você quer pedir demissão porque seu chefe é insuportável ou porque você trabalha a semana toda esperando pela sexta-feira talvez seja a hora de pensar melhor. Todo mundo quer ter flexibilidade e trabalhar com algo que goste, mas isso não significa que você terá menos problemas ou trabalhará menos do que antes. Eu também não te aconselharia a pedir demissão só porque você ACHA que seria mais feliz fazendo outra coisa.

Ao contrário do que muita gente pensa, eu não odiava o meu trabalho. É claro que muitas coisas me irritavam, mas no geral eu gostava bastante do que eu fazia. Eu pedi demissão porque entendi que se eu quisesse tentar fazer algo que eu sempre sonhei, esse seria o momento perfeito já que não era casada, não tinha filhos nem um financiamento imobiliário para pagar. Além disso, era jovem o suficiente para voltar atrás e ainda conseguir me recolocar caso meu plano não desse certo.

A razão pela qual devemos tomar uma decisão como esta precisa estar totalmente relacionada à nossa vontade de fazer algo diferente e não a fatores externos como um chefe mala ou excesso de trabalho. Quem sabe se depois de avaliar sua situação atual, você só precise encontrar um emprego melhor para ser mais feliz.

2. Você consegue começar o seu novo projeto antes de pedir demissão?

Não é preciso tomar uma decisão radical para começar a fazer algo que a gente goste. Se você já tem uma ideia do que te deixaria feliz, comece hoje!

Eu tenho uma amiga  que tinha um cargo alto em uma grande corporação, mas sempre quis ter um blog sobre maternidade. Durante 2 anos ela fez isso paralelamente ao trabalho e essa semana se sentiu confortável para pedir demissão e se dedicar inteiramente ao Just Real Moms, que já é muito bem sucedido. O mesmo vale se você quer fazer brigadeiros, ser DJ ou viajar. Sempre existe um primeiro passo que pode ser dado enquanto você ainda tem um emprego que te dê estabilidade financeira enquanto testa a sua paixão.

3. Você tem as habilidades necessárias e um plano consistente para fazer a sua paixão virar um negócio?

Eu sempre amei escrever e sempre quis ter um blog para sobre coisas da vida. Comecei um em 2008 (olha ele aqui!), mas com a morte do meu pai eu resolvi deixar isso de lado e dar o meu sangue no trabalho, já que minha família precisava da minha ajuda financeira. Por anos, sempre que via blogueiros bem sucedidos eu me sentia uma fracassada por nunca ter pelo menos tentado fazer esse sonho acontecer.

Depois de um tempo frustrada, decidi seguir um caminho um pouco diferente e, em vez de criar o meu próprio blog, passei a escrever para outros blogs como convidada, até que virei colunista do portal Supremas. Foi quando descobri que não tinha só vontade, mas também habilidade para escrever. Só então decidi criar o meu próprio blog e planejar o meu próximo passo.

É difícil tomar coragem para fazer algo que não temos a menor ideia se vai dar certo, por isso, um pouco de experiência pode ser fundamental para a tomada de decisão.

4. Você tem como bancar essa decisão?

Quando eu digo bancar, não estou falando só de dinheiro. Não é preciso ter uma fortuna para começar a fazer algo que acreditamos ou queremos muito, mas é mais difícil ser feliz sem pelo menos o básico. Além disso, o básico varia de pessoa para pessoa e saber quais são as suas necessidades básicas e seus limites vai fazer com que você tenha uma noção de quanto é preciso para correr esse risco. Tem gente que é motivada pela pressão e incerteza, outros são paralisados pela instabilidade. Quando sabemos quais são os sacrifícios que estamos dispostos a passar para realizarmos os nossos sonhos, é mais fácil coragem para seguir em frente.

5. Você vai ter o apoio das pessoas que você ama?

Eu tive a sorte de ter o apoio de todas as pessoas que eu amo e admiro quando tomei a minha decisão e isso tem um valor inestimável. Sempre fui muito responsável e quem me conhece sabe que eu não faria nada sem ter calculado todos os riscos antes. Infelizmente, nem todo mundo tem a mesma sorte que eu.

Sua família, seu namorado ou amigos não podem ser a razão pela qual você vai desistir dos seus sonhos, mas ter o apoio de pelo menos uma pessoa importante para você faz muita diferença.

Fazer algo que você nunca fez antes, perder sua estabilidade financeira, ficar longe das pessoas que você ama ou mudar o seu estilo de vida causam muito estresse. Se você não tiver o suporte de absolutamente ninguém, pode ficar insuportável, por mais que você esteja viajando pelo mundo e se divertindo durante o percurso.

Mesmo que você responda SIM a todas essas perguntas, o resultado dessa decisão ainda será totalmente imprevisível. Nenhum plano vai prever todas as dificuldades que podem aparecer no meio do caminho, mas é um pouco mais fácil lidar com elas quando pensamos nisso tudo antes de entrarmos na sala do chefe para dizer “eu me demito!”

Imagem extraída do livro Martha, No!

Share:

logo inbox

Assine a newsletter e receba um conteúdo exclusivo no seu e-mail!

Ao clicar em “inscrever-se”, você concorda em receber e-mails do Fê-liz com a vida e aceita nossos termos de uso, política de privacidade e cookies.